Londres pede reunião urgente na ONU por causa de espião envenenado

A tensão Londres-Moscovo está ao mais alto nível. O Conselho de Segurança reúne-se hoje à tarde de urgência

O Reino Unido pediu uma reunião urgente do Conselho de Segurança das Nações Unidas para discutir o ataque a um ex-espião russo em Salisbury, informou o ministério dos Negócios estrangeiros britânico, citado pela BBC. O Conselho reúne-se hoje à tarde de urgência, às 19.00, anunciou já residência holandesa em exercício daquele órgão da ONU.

A tensão Londres-Moscovo está ao mais alto nível, depois de Theresa May ter dito no Parlamento que é "muito provável que a Rússia seja responsável" pelo envenenamento do ex-espião de 66 anos e da sua filha de 33, em solo britânico. A primeira-ministra britânica exigiu explicações de Moscovo, mas a Rússia rejeitou reiteradamente qualquer envolvimento no caso.

Sergei Skripal, de 66 anos, e a filha Julia Skripal, de 33 anos, continuam hospitalizados "em estado crítico", segundo as autoridades, depois de terem sido encontrados inconscientes na semana passada, após terem sido expostos a um agente nervoso. O russo refugiou-se no Reino Unido depois de ter sido libertado em 2010 numa troca de espiões, após ter vários anos detido por ter revelado segredos aos serviços secretos britânicos.

O Reino Unido e a Rússia, a par da China, Estados Unidos e França, são membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.