Mais fundos para investigar desaparecimento de Maddie

O Ministério do Interior do Reino Unido concedeu na quinta-feira um montante adicional de 154.000 libras (175.000 euros) para que a polícia continue a investigar o desaparecimento da menina inglesa Madeleine McCann, no Algarve, em 2007.

Os novos fundos vão permitir à polícia metropolitana de Londres alargar até março de 2018 as investigações, que deviam terminar no final deste mês se não fossem alocados mais recursos.

O Governo britânico investiu mais de 11 milhões de libras (12,5 milhões de euros) nas buscas por Madeleine desde 2011, quando as forças de segurança do Reino Unido começaram a colaborar com a polícia portuguesa.

Um porta-voz do ministério confirmou que foi aceite o pedido para continuar a operação da polícia, que em abril assegurou que seguia uma "significativa linha de investigação".

"Como se faz com todos os pedidos, os recursos necessários são revistos com regularidade e efetuam-se cuidadosas considerações antes de decidir atribuir fundos", disse o porta-voz.

A equipa britânica que procura pela menina chegou a contar com 30 efetivos em 2013, mas desde então ficou reduzida a "dois ou três agentes", admitiu a Scotland Yard no ano passado.

O então comissário chefe da polícia londrina, Bernard Hogan-Howe, assegurou que a investigação seria encerrada em poucos meses se não se chegassem a novas conclusões relevantes.

A Scotland Yard disse, no entanto, no início do verão, que tem uma pista que "vale a pena analisar", dado que "poderia proporcionar uma resposta" sobre o paradeiro da menina.

Madeleine McCann desapareceu da Praia da Luz, no Algarve, a 03 de maio de 2007, quando dormia com os irmãos num apartamento num complexo turístico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.