Lixo ou tesouros submersos? Paris volta a dragar o canal Saint-Martin

Cerca de 90 mil metros cúbicos de água são retirados e despejados no rio Sena. A descoberto, antes submersos, ficam verdadeiros achados

Os trabalhos começaram na segunda-feira e devem prolongar-se durante os próximos três meses: são 90 mil metros cúbicos de água para retirar do canal Saint-Martin, em Paris, e despejar no rio Sena, numa operação de limpeza que deverá custar cerca de 9,5 milhões de euros ao município.

A cada 10 ou 15 anos, o canal que ficou concluído em 1825 - mas foi iniciado ainda sob as ordens de Napoleão - é dragado e limpo. Os peixes são retirados antes de ser esvaziado, mas no fundo descobrem-se os "tesouros" da vida secreta de Paris, que ali são abandonados por quem passa.

Hoje, o canal Saint-Martin fica numa das zonas favoritas dos chamados "Bobos" de Paris, os boémios burgueses, jovens com poder de compra que vivem na capital e gostam de conviver nas margens de Saint-Martin ao final do dia. Faz parte do cenário pitoresco da capital francesa, lugar de festa e encontro mas também de tranquilidade e passeio dos residentes.

Uma das muitas vespas achadas no fundo do canal

Segundo o The Guardian, a última vez que o canal foi dragado, em 2001, foram retiradas cerca de 40 toneladas de lixo, incluindo projéteis da primeira Guerra Mundial, cofres, moedas de ouro, pelo menos um automóvel. Numa limpeza anterior, 56 carros foram retirados, depois de mais de uma década debaixo de água.

Os funcionários que se ocupam da limpeza são observados das pontes que atravessam o canal

Desta vez, uma arma já foi recuperada, mas o inventário total levará semanas até estar concluído. Das pontes que atravessam o canal, residentes e turistas não resistem a espreitar para os despojos que vão surgindo, uma vez esvaziado o espaço entre as margens: vespas, bicicletas, carrinhos de supermercado, guarda-chuvas, sinais de trânsito, garrafas de vinho, máquinas fotográficas antigas.

"É uma espécie de tesouro submarino bizarro", disse ao Guardian um residente em Paris. A autarquia parisiense está a usar a limpeza como exercício de sensibilização para os cidadãos, pedindo-lhes que não atirem lixo para os canais. Ao mesmo tempo, as forças da autoridade têm procurado impedir as pessoas de descer ao canal para se apropriarem dos objetos perdidos e enterrados na lama, vestígios de um tempo que passou ou, quem sabe, preciosidades à espera de serem reutilizadas para uma nova vida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...