O que se comia nos jantares dos reis de Portugal?

O livro "Arte da Cozinha", de 1876, foi reeditado no Brasil

Sopa 'royal', bacalhau de cebolada à diplomata ou pudim à brasileira faziam parte dos jantares dos reis de Portugal e dos imperadores do Brasil, receitas que constam do livro histórico "Arte da Cozinha", a apresentar hoje em Brasília.

A obra, cuja primeira edição data de 1876, traz mais de 100 receitas criadas pelo cozinheiro português João da Matta para jantares organizados pelas famílias reais de Portugal e imperial brasileira.

A apresentação em fac-simile, com dois mil exemplares, decorre hoje à noite na embaixada portuguesa em Brasília, com o objetivo de "reforçar os laços históricos que unem Brasil e Portugal com o resgate dos elementos do património histórico comum", segundo a embaixada.

O 'chef' português Vítor Sobral vai recriar, num jantar, algumas das receitas que constam no livro: a refeição começa com uma sopa 'royal', seguindo-se camarão de fricassé, sendo os pratos principais bacalhau de cebolada à diplomata e arroz de cabrito. Para sobremesa, pudim de pão à brasileira.

No essencial, Vítor Sobral garante que vai respeitar as receitas originais, com "pequenas alterações".

"À época, a cozinha francesa estava muito em voga" e as receitas "têm muita manteiga", um elemento que o cozinheiro português vai reduzir, disse à Lusa.

Mas o livro também apresenta receituário da cozinha regional portuguesa e brasileira: "Há uma mistura das culturas".

"É uma 'cozinha de sobrevivência', em que a técnica era muito idêntica, mas os produtos não eram iguais em todo o lado, por isso fazia-se em função daquilo que estava disponível", descreveu Vítor Sobral.

O 'chef' português, com restaurantes nos dois países, garante que "a mesa é uma boa forma de recordar a importância que Portugal tem para o Brasil e vice-versa".

A bibliotecária e idealizadora do lançamento desta nova edição, Ethel Valentina, contou à Lusa que o livro faz parte do acervo de 460 obras raras do Grémio Literário Recreativo Português, localizado na cidade brasileira de Belém, que tem ao todo entre 35 e 40 mil títulos.

"É um livro muito contemporâneo porque todos os ingredientes daquela época ainda são usados hoje. Além disso, a narrativa não traz uma lista de ingredientes, mas simula uma conversa do cozinheiro com o leitor, formando uma espécie e poesia gastronómica, onde são contatados os procedimentos de preparo das receitas", disse.

A especialista acrescentou que a edição que será reeditada de "Arte de Cozinha" é o único exemplar que existe no Brasil que se tem notícia.

Ethel Valentina também explicou que as vendas desta nova edição de "Arte de Cozinha" serão revertidas para a preservação e digitalização de todo o acervo da biblioteca, composta também por fichas de inscrição e registos portuários de portugueses quando eles chegaram ao Brasil, que têm grande relevância histórica.

A participação na apresentação do livro, em Brasília, é um dos pontos do programa da visita do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, ao Brasil, que começou esta quinta-feira em São Paulo e que decorre até à próxima segunda-feira.

No sábado, o governante português contactará com a comunidade portuguesa em São Luís, no estado do Maranhão, viajando depois para a cidade de Manaus, que visita pela primeira vez.

Nesta cidade, situada na Amazónia, José Luís Carneiro participa, entre outras iniciativas, no II Encontro de Associações Portuguesas do Norte do Brasil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.