Livro de conselheira de Trump retirado de venda

Um livro da futura conselheira em comunicação do Conselho de Segurança Nacional do Presidente eleito dos EUA, Mónica Crowley, foi retirado dos postos de venda pelo editor, devido a acusações de plágio.

Um jornalista da CNN passou em revista o livro, publicado em 2012, pela Harper Collins, e identificou mais de 50 passagens copiadas, por vezes com alterações menores, de artigos de imprensa, sítios da Internet, publicações de centro de reflexão ou ainda da Wikipedia.

As passagens são frequentemente de ordem factual, incluindo números ou informações históricas ou económicas e parecem, segundo aos extratos divulgados pela CNN, ter sido simplificadas.

Argumentando que a obra tinha "chegado ao termo do seu ciclo de venda natural", o editor Harper Collins anunciou que ia ser retirada de venda "até que a autora tenha a possibilidade de fundamentar e alterar o seu texto".

A equipa de transição de Donald Trump tinha defendido Mónica Crowley, criticando o que disse ser "um ataque político destinado a desviar as atenções dos verdadeiros desafios com que o país se enfrenta", sem confirmar nem desmentir as acusações de plágio.

O livro incriminatório de Mónica Crowley, uma autora e comentadora conservadora da cadeia televisiva Fox News, acusava a Presidência de Barack Obama de ter enfraquecido a economia e o prestígio dos EUA no estrangeiro, propondo soluções no espírito do 'slogan' da campanha de Trump "Fazer a América grande Outra Vez".

O sítio na Internet Político já tinha acusado Mónica Crowley de ter feito plágio na sua tese de doutoramento, terminada em 2000, na Universidade de Colúmbia, no Estado de Nova Iorque, sobre as relações diplomáticas entre EUA e China.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.