Livestream Plataforma

Jornal online junta JN, DN, TSF, Dinheiro Vivo, Folha de São Paulo, Rede Bandeirantes, O País, Rádio Mais, Jornal de Angola e Plataforma Macau

O futuro das redes globais no espaço dos países e regiões de língua portuguesa está hoje em debate no centro de convenções da Doca dos Pescadores em Macau, numa conferência onde também se apresenta o Plataforma um jornal online que reúne notícias e reportagens de vários órgãos de comunicação social em língua portuguesa.

O Plataforma é trilingue (em português, chinês e inglês) e tem uma redação em Lisboa e Macau que, para além de conteúdos próprios, faz a curadoria de notícias, reportagens, artigos de opinião, análises e outros conteúdos multimédia dos parceiros aderentes: Jornal de Notícias, Diário de Notícias, TSF, Dinheiro Vivo, Folha de São Paulo, Rede Bandeirantes, O País, Rádio Mais, Jornal de Angola e Plataforma Maca.

Para além daqueles órgãos de comunicação social de Portugal, Brasil, Angola e Macau, o Plataforma espera vir a ter parcerias com marcas de todos os 11 países de língua oficial portuguesa..

O evento de Macau (com início às 18h30 horas locais, 11h30 de Lisboa) terá como oradores convidados Glória Batalha Ung, Secretária-adjunta do Fórum para a Cooperação entre a China e os Países de Língua Portuguesa e administradora do Instituto para a Promoção do Comercio e Investimento de Macau, Jorge Neto Valente, presidente da Associação dos Advogados de Macau, e João Francisco Pinto, diretor de Informação e Programas dos Canais Portugueses da Teledifusão de Macau (TDM), sendo moderado pelo presidente do Global Media Group Macau, Paulo Rego.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.