LinkedIn foi bloqueado na Rússia

Rede social profissional está a infringir lei relativa ao armazenamento dos dados pessoais dos utilizadores

As autoridades russas ordenaram hoje o bloqueio da rede social profissional LinkedIn, que se tornou o primeiro "site" da Internet proibido na sequência de uma lei que exige o armazenamento dos dados pessoais dos utilizadores em território russo.

O endereço do LinkedIn foi adicionado ao registo dos infratores aquela lei, em vigor desde 2015, e os operadores foram notificados, o que os obriga a bloquear o acesso, indicou a agência de regulação das telecomunicações Roskomnadzor num comunicado.

A medida foi determinada por um tribunal em agosto e confirmada após um recurso a 10 de novembro.

O "site" utilizado para contactos profissionais e procura de emprego confirmou num comunicado enviado à agência France Presse "começar a ser informado pelos seus membros na Rússia que não podem aceder ao LinkedIn".

A empresa norte-americana, que está a ser comprada pela Microsoft, criticou uma decisão que afeta "os milhões de membros" russos e declarou-se "interessada numa reunião" com as autoridades.

O LinkedIn tem mais de 467 milhões de membros, entre os quais mais de seis milhões na Rússia.

A questão dos dados pessoais e da sua utilização é particularmente sensível na Rússia, onde as autoridades introduziram nos últimos anos várias leis reforçando o controlo sobre a Internet e as redes sociais, que se tornaram vitais para a oposição russa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.