Líder trabalhista diz que Brexit está fechado

Jeremy Corbyn realça que eleições são sobre futuro do país

O líder trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, afirmou hoje que as eleições antecipadas não são sobre o 'Brexit', que "está resolvido", mas sobre o futuro de um país em que o sistema político está falido e a economia viciada.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, convocou eleições legislativas antecipadas para 8 de junho, três anos antes da data prevista, para reforçar a sua maioria parlamentar na perspetiva das negociações de saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

Num discurso de lançamento da campanha do Partido Trabalhista, em Manchester (norte de Inglaterra), Jeremy Corbyn assegurou que "a questão 'Brexit' está resolvida" e que o desafio é proteger o interesse nacional e não "mostrar quem consegue ser mais duro com Bruxelas".

"Esta eleição não é sobre o 'Brexit' em si, essa questão está resolvida. A questão agora é que tipo de 'Brexit' queremos e que tipo de país queremos que o Reino Unido seja depois do 'Brexit'", afirmou.

"O Partido Trabalhista quer um 'Brexit' que proteja o emprego, que salvaguarde as indústrias vitais e que abra caminho a uma sociedade genuinamente mais justa e a uma economia renovada", defendeu.

Entre as medidas que propôs, figuram o investimento em infraestruturas, o investimento na formação e capacitação da força de trabalho, a defesa dos direitos laborais, o aumento do financiamento do serviço nacional de saúde (NHS) e dos serviços sociais, o combate às emissões poluentes.

Corbyn considerou haver uma tentativa das "elites abastadas" de "sequestrar o 'Brexit'" para "pagarem ainda menos impostos e ficarem com uma parte ainda maior da riqueza" gerada pelo trabalho.

E afirmou que, uma vitória do Partido Conservador, seria sobretudo celebrada pelos que fogem aos impostos batoteiros e pelos "banqueiros gananciosos".

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.