Líder polaco cancela visita a Israel após afirmações "racistas" de Netanyahu

O primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki cancelou a participação num encontro internacional após o ministro dos Negócios estrangeiros israelita ter acusado a Polónia de serem antissemitas "inatos"

O primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki cancelou a sua participação num encontro internacional organizado pelo grupo de Visegrado - Polónia, Republica Checa, Hungria e Eslováquia -, depois de o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu e do ministro dos Negócios Estrangeiros, Israel Katz terem feito afirmações polémicas sobre a nação polaca e o seu envolvimento no Holocausto que este considerou "racistas" e "inaceitáveis".

Na passada quinta-feira, o primeiro-ministro israelita afirmou que os polacos tinham colaborado com o Holocausto durante a segunda guerra mundial, numa conferência sobre o Médio Oriente em Varsóvia. Posteriormente, os representantes de Netanyahu fizeram um comunicado dizendo que as afirmações do primeiro-ministro tinham sido mal interpretadas pelos The Jerusalem Post e que este queria culpabilizar membros individuais e não toda a nação. O jornal acabou por publicar uma notícia corrigida, confirmando o comunicado.

No entanto, para piorar a situação entre as duas nações, o ministro dos Negócios Estrangeiros comentou que os polacos "amamentam o antissemitismo ao mesmo tempo que o leite materno", citando o falecido primeiro-ministro israelita Yitzhak Shamir, de acordo com a BBC . "Estas palavras são inaceitáveis, tanto em termos diplomáticos como públicos" respondeu Morawiecki. Hoje, a Polónia retirou-se completamente do grupo Visegrado, o que acabou por cancelar o encontro internacional. O primeiro-ministro checo, Andrej Babis, comentou que o encontro será substituído por "discussões bilaterais", segundo a AFP.

As tensões entre Israel e a Polónia aumentaram muito no ano passado, devido à introdução de uma nova legislação na Polónia a criminalizar a ligação entre os polacos e o Holocausto. Frases como "campos da morte polacos" podiam levar até três anos de prisão. Após pressão por parte dos EUA e Israel, que defendiam que esta lei impedia pesquisas sobre os acontecimentos da segunda guerra mundial, o governo polaco acabou por remover as sentenças.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a Polónia foi ocupada pelo regime nazi e tinha uma das maiores comunidades judaicas a nível mundial. Mais de cinco milhões de vidas foram perdidas, 3 milhões pertenciam à comunidade judaica. Pesquisas mostram que milhares de polacos colaboraram com os nazis no Holocausto, mas também que muitos outros arriscaram as suas vidas para salvar judeus.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?