Líder do Pentágono diz que alguns membros da coligação contra o EI não estão a fazer nada

O secretário da Defesa norte-americano, Ashton Carter, disse hoje que diversos membros da coligação liderada pelos EUA na Síria e no Iraque "não estão a fazer absolutamente nada" no combate aos grupos 'jihadistas'.

Os comentários de Carter assinalam uma rutura com a típica abordagem do Pentágono à coligação de 65 países, com o 'slogan' "Uma missão, muitos países", apresentada como uma afirmação da disponibilidade da maioria das nações do planeta em se aliarem ao esforço militar dos Estados Unidos para derrotar o grupo 'jihadista' Estado Islâmico (EI).

"Muitos deles não estão a fazer o suficiente, ou não fazem absolutamente nada", disse Carter em entrevista à estação televisiva CNBC, à margem do Fórum Económico Mundial que decorre na cidade suíça de Davos. "Podemos fazer muito por nós próprios (...) mas procuramos que outros também desempenhem o seu papel".

Numa entrevista separada à Bloomberg TV, Ashton Carter definiu a aliança anti-EI como "a designada coligação", sublinhando a frustração do Pentágono com os seus parceiros, em particular os países árabes do Golfo, por não estarem a fazer o suficiente.

"Precisamos que outros assumam a sua parte do fardo", disse.

Carter deslocou-se na semana passada à Europa para tentar convencer os aliados a reforçarem o combate ao EI.

De acordo com analistas, a exasperação de Carter reflete as pressões de Washington, onde os críticos mais radicais consideram que a administração de Barack Obama está a atuar de forma muito lenta para derrotar o EI.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.