Mariano Rajoy garante que não se demite e quer finalizar legislatura

Parlamento espanhol discute moção de censura contra o primeiro-ministro na quinta e na sexta-feira

O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, assegurou esta terça-feira em Madrid, a dois dias da votação de uma moção de censura proposta pelo PSOE, que não tem qualquer intenção de se demitir e que pretende finalizar a legislatura.

Questionado por um deputado sobre se se iria demitir, o chefe do Governo respondeu que a sua "intenção" é de "completar o mandato conferido pelos espanhóis", até ao final da legislatura, em 2020.

"Tenho um mandato dos cidadãos, que deram ao meu partido 50 lugares mais do que deram ao segundo partido", o PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol), acrescentou.

O PSOE apresentou na passada sexta-feira uma moção de censura contra o presidente do Governo, apenas 24 horas depois da sentença no "caso Gurtel", um esquema de corrupção que condenou vários membros do PP (Partido Popular, direita), e o próprio partido ao pagamento de uma multa.

O parlamento vai discutir a moção na quinta e sexta-feira, estando o PSOE, com 84 deputados, longe de ter assegurado o apoio de metade mais um dos 350 membros do parlamento necessários para aprovar a proposta.

O Unidos Podemos (extrema-esquerda) e terceira maior força no parlamento é até agora o único partido que assegurou que iria votar no mesmo sentido dos socialistas.

O sucesso da moção de censura depende, assim, do apoio, pouco provável, de uma série de formações políticas nacionalistas e separatistas.

A Audiência Nacional, que julga os casos mais graves de corrupção, aplicou na passada quinta-feira penas elevadas a uma série de políticos e empresários envolvidos no caso Gurtel.

O próprio partido do primeiro-ministro, Mariano Rajoy, foi multado em 245 mil euros por ter beneficiado do esquema ilegal que se baseava em conceder contratos públicos a empresas em troca de dinheiro.

Mariano Rajoy nunca foi envolvido diretamente no caso Gurtel, mas os seus cargos de responsabilidade no PP têm levado os opositores a acusá-lo de ter "fechado os olhos" ao esquema.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".