Novo recorde na Câmara dos Representantes: oito horas a discursar

Nancy Pelosi bateu o recorde anterior, datado de 1909, quando o então congressista democrata Champ Clark pronunciou um discurso de 5 horas e 15 minutos

A líder da minoria democrata na Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, bateu na quarta-feira o recorde do discurso mais prolongado neste órgão, ao falar durante mais de oito horas consecutivas sobre os jovens imigrantes indocumentados conhecidos como 'sonhadores'.

Pelosi, de 77 anos, falou no plenário para se opor ao acordo orçamental alcançado no Senado e tratar a situação dos 'sonhadores' não considerados no acordo.

A congressista concluiu a sua intervenção depois de mais de oito horas a discursar na Câmara dos Representantes, batendo o recorde anterior datado de 1909, quando o então congressista democrata Champ Clark pronunciou um discurso de 5 horas e 15 minutos contra uma reforma tarifária que então se debatia, segundo meios de comunicação norte-americanos.

A congressista começou o seu discurso às 15.04 de Lisboa e acabou às 23.19, sob uma prolongada ovação da sua bancada, completando mais de oito horas de discurso sobre uns sapatos com tacões com mais de 10 centímetros e apenas bebendo água, indicaram fontes do seu gabinete.

A intervenção prolongada não se trata de um bloqueio legislativo, conhecido como fazer obstrução, nas práticas da Câmara Alta, uma vez que esta figura não existe na Câmara Baixa.

Contudo, os líderes de cada partido são os únicos na Câmara dos Representantes com este privilégio, de usarem um tempo sem limite nas suas intervenções, o qual foi aproveitado por Pelosi.

O objetivo da congressista democrata é conseguir um compromisso do presidente da Câmara dos Representantes, o republicano Paul Ryan, para submeter a votação o projeto de lei migratória que sai do Senado, com o objetivo de encontrar uma solução permanente para os 'sonhadores'.

Os líderes do Senado, o republicano Mitch McConnell e o democrata Chuck Schumer, anunciaram na quarta-feira terem alcançado "um grande acordo orçamental" para os próximos dois anos fiscais, em troca de McConnell começar um debate migratório no Senado com a maior brevidade.

Contudo, este acordo não foi apoiado por Ryan, pelo que Pelosi, tal como muitos dos democratas da sua bancada, receia que os esforços do Senado sejam estancados na Câmara dos Representantes e que os 'sonhadores' fiquem sujeitos a deportação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.