Líder da Amazon britânica alertou para risco de agitação civil em caso de não acordo sobre o Brexit

Empresa de comércio eletrónico não confirmou as declarações de Doug Gurr, mas admitiu estar a planear uma vasta gama de opções em caso de saída desordenada do Reino Unido da União Europeia

O líder da Amazon no Reino Unido alertou para a possibilidade de o país vir a enfrentar uma "agitação civil", caso não haja acordo sobre o Brexit que abranja as tarifas comerciais.

Doug Gurr exprimiu esta preocupação na última sexta-feira numa cimeira que contou com a participação do ministro para o Brexit, Dominic Raab, e um grupo de empresários, entre os quais o presidente do Barclays, Ian Cheshire, o presidente da cadeia de supermercados Morrisons, Andy Higginson, o CEO da companhia de seguros Lloyd's of London, Inga Beale, e a presidente da Shell no país, Sinead Lynch.

A Amazon não confirmou se Gurr fez estas observações, divulgadas no The Times, mas admitiu estar a planear uma vasta gama de resultados.

"Tal como em qualquer negócio, consideramos uma ampla gama de cenários no planeamento de discussões, para que possamos continuar a servir os clientes e pequenas empresas que confiam na Amazon, mesmo que esses cenários sejam improváveis", afirmou um porta-voz da empresa, em declarações ao jornal britânico The Guardian , acrescentando que "isto não é específico para qualquer problema, é a forma como planeamos qualquer número de problemas em todo o mundo".

Por outro lado, empresas como a Airbus ou a Jaguar Land Rover ponderaram a hipótese de transferirem as respetivas instalações e investirem em outros países, enquanto a Ryanair acredita na possibilidade de existir um cenário de falta de acordo em relação ao Brexit.

"Mantemos as nossas preocupações sobre o perigo de um hard brexit (sem acordo) em março de 2019. Enquanto há uma perspetiva de que um acordo de transição de 21 meses entre março de 2019 e dezembro de 2020 seja implementado (e estendido), foram adicionados a esta incerteza eventos recentes na esfera política do Reino Unido, e nós consideramos que um risco de um Brexit duro está a ser subestimado", salientou a companhia aérea irlandesa num comunicado divulgado esta segunda-feira.

Dominic Raab terá apontado irresponsabilidades à Comissão Europeia relativamente às denúncias de riscos inerentes a uma falta de acordo sobre o Brexit para os cidadãos da União Europeia que vivem no Reino Unido. Para fundamentar os seus argumentos, Raab descreveu numa entrevista ao programa The Andrew Marr Show, transmitido pela BBC, um documento publicado por Bruxelas na última semana que destaca o risco de o Reino Unido deixar a União Europeia sem acordo como sendo "uma tentativa de aumentar a pressão".

Do mesmo modo, afirmou ao jornal The Sun que este cenário poderá levar ao armazenamento de alimentos processados por parte do governo britânico. "Acho que é inútil este tipo de trechos seletivos que entram nos media, uma vez que o público presta atenção a isso", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.