Líder catalão rejeita proposta de Sánchez e insiste num referendo

Quim Torra diz que o debate da sociedade catalã não é sobre o estatuto e que "só um referendo de autodeterminação acordado, vinculativo e reconhecido internacionalmente" pode renovar o mandato expresso pelos catalães a 1 de outubro.

O presidente da Generalitat, Quim Torra, rejeitou a proposta do primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, sobre a realização de um referendo sobre mais autonomia, lembrando que o debate da sociedade catalã não é esse. "Só um referendo de autodeterminação acordado, vinculativo e reconhecido internacionalmente" pode renovar o mandato expresso pelos catalães a 1 de outubro, afirmou numa conferência no Teatro Nacional da Catalunha.

Torra considerou ainda assim "interessante" que o governo espanhol faça agora essa proposta, reconhecendo que "a crise institucional provocada pela sentença [do Tribunal Constitucional] contra o Estatuto" e que "reconheça que a solução virá pela via política e democrática". Mas, avisou, "o debate na sociedade catalã não é sobre um estatuto", defendendo por isso "um referendo de autodeterminação, sem ameaças, sem violência". Um referendo que seja o culminar de um "debate aberto e sincero sobre os benefícios ou prejuízos da independência".

O presidente da Generalitat propôs ainda aos catalães a realização de uma "marcha pelos direitos civis, sociais e nacionais da Catalunha", num dos vários eventos que estão a ser planeados para as próximas semanas na Catalunha.

"Faço uma proposta ao povo da Catalunha sob um mote simples: liberdade ou liberdade", disse Torra, lembrando as grandes marchas de Martin Luther King e propondo a realização dessa "marcha de cidadãos que tomam a livre determinação de ser um povo constituinte". E pediu que haja uma "ampla mobilização" para essa marcha, que deve ser "diversa e multitudinária". Torra quer recuperar as ruas e as marchas que marcaram o referendo independentista de há quase um ano.

A conferência intitulava-se "O Nosso Momento" e servia para Quim Torra, que foi ovacionado durante vários minutos quando entrou no Teatro Nacional da Catalunha, analisar a situação política da Catalunha e apresentar os planos do movimento independentista para os próximos meses, naquele que se espera ser um "outono quente".

"Esta conferência não é um protesto, mas uma proposta. Com presos políticos, exilados e milhares de catalães investigados e acusados, a hora é grave", afirmou Torra, falando no momento para "parar e analisar onde estamos na causa justa da independência da Catalunha".

O presidente da Generalitat, que no palco esteve acompanhado só por uma bandeira da Catalunha e por um laço amarelo (símbolos dos independentistas detidos), disse esperar que a sua conferência lance "um debate sobre queremos que seja o futuro da nossa nação".

"Houve uma tentativa planeada de destruir o projeto independentista, mas o povo da Catalunha resistiu a e nossa causa é mais respeitada do que nunca pela comunidade internacional", afirmou Torra, lembrando que o ponto de partida é o referendo independentista de 1 de outubro. "Mas não demos um único passo atrás", acrescentou, dizendo que o povo catalão é "maduro e plural e não se deixou cair na chantagem".

Mensagem em castelhano

A meio do discurso em catalão, Torra passou para o castelhano e dirigiu-se "a todos aqueles que partilham a nossa luta pela liberdade, mas também a todos aqueles que não a partilham". O presidente da Generalitat garantiu que "o povo da Catalunha nunca se afastará da via democrática, pacífica e do escrupuloso respeito pelo direito de autodeterminação dos povos, assim como da defesa dos direitos civis de todos os cidadãos".

"Oferecemos sempre, oferecemos hoje e vamos fazê-lo no futuro uma e outra vez, diálogo e negociação, se quiserem parar os abusos e as arbitrariedades, se quiserem libertar os presos políticos e aceitar o regresso dos exilados, se quiserem reconhecer e tornar efetivo o direito de autodeterminação do povo da Catalunha", afirmou Torra, citando depois o ex-presidente dos EUA, John F. Kennedy: "Que nunca negociemos por medo, mas que nunca tenhamos medo de negociar."

Ainda em castelhano, o presidente da Generalitat lançou: "Não queremos vencedores nem vencidos, procuramos uma vitória partilhada", reiterou. "É hora de dialogar, escutar, negociar e arriscar", lançou.

Independentistas detidos

Em relação aos processos judiciais que envolvem vários líderes independentistas, Quim Torra disse que só aceitará a absolvição.

"É inimaginável uma sentença que condene os presos políticos ou exilados catalães. Pessoalmente, não posso aceitar, nem aceitarei uma sentença que não seja a absolvição", afirmou, dizendo que se não for essa a decisão dos juízes, então estudará que decisões tomar e ficará à disposição do Parlamento catalão.

"A justiça europeia deixou em evidência a perseguição política do governo da Catalunha de tal forma que o Supremo Tribunal se viu forçado a retirar todos os mandados de detenção europeus", lembrou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.