Líder budista na China acusado de abusar sexualmente de monjas

Duas mulheres fizeram queixa. terão recebido mensagens com ameaças para que tivessem relações sexuais com monge budista

Um dos monges budistas mais populares da China, o mestre Xuecheng, foi acusado de abusar sexualmente monjas num dos templos que lidera, noticiou esta quinta-feira o jornal Global Times .

Xuecheng, cujo verdadeiro nome é Fu Ruilin, foi denunciado por duas mulheres do templo de Longquan, um dos mais conhecidos de Pequim, onde, segundo um relatório enviado às autoridades, Xuecheng forçou várias monjas a terem relações sexuais com ele.

Xuecheng preside a Associação Budista da China, é membro da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (semelhante a uma câmara alta nas democracias ocidentais) e é abade dos templos de Longquan, Famen e Guanghua.

De acordo com o relatório, citado pelo Global Times, Xuecheng enviou mensagens para pelo menos seis monjas do templo em Pequim com textos ameaçadores pedindo-lhes que fizessem sexo com ele como parte de um estudo de técnicas de controlo da mente. Pelo menos quatro mulheres cederam ao seu pedido.

"Xuecheng manipulou-as para servir seu 'império budista', no qual os seus discípulos sacrificaram as doutrinas e violaram a lei", enfatizou o documento.

O abade de 51 anos acusou as duas mulheres de distorcerem os factos e de divulgarem informações falsas.

Fontes ligadas ao caso citadas pelo Global Times indicaram que o monge chegou a ser detido e interrogado pelas autoridades, encontrando-se agora em liberdade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.