Libertados os suspeitos de preparar ataque terrorista

Seis jovens foram detidos no domingo. Dois deles conheciam o autor do atentado em

A justiça alemã libertou os seis jovens detidos, no domingo, suspeitos de preparar um ataque terrorista numa meia-maratona em Berlim. As autoridades entenderam não existirem indícios suficientes que confirmassem a suspeita inicial que levou à sua detenção.

Os detidos tinham entre 18 e 21 anos e dois deles conheciam Anis Amri, o tunesino que matou 12 pessoas em dezembro de 2016, quando albarroou, com um camião, um mercado de Natal na capital alemã. Este ataque foi reivindicado pelo Estado Islâmico.

O principal suspeito, entre os detidos de domingo, é considerado pela polícia alemã um potencial agressor e estava a ser vigiado há semanas, avança o jornal Tagesspiegel.

Os jovens chamaram a atenção por terem apresentado um comportamento suspeito. Porém, o tribunal não encontrou provas de que teriam planeado um atentado de forma concreta, revelou o porta-voz do ministério público. Assegurando que o evento desportivo nunca esteve sob ameaça.

Os suspeitos foram detidos e as suas casas revistadas, mas não foram encontrados objetos suspeitos, armas ou explosivos. A atuação da polícia foi elogiada pelo ministro alemão do Interior.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.