Libertados estudantes tailandeses detidos por campanha política

Jovens violaram proibição de assembleia política, um ato que pode ser punido com a pena máxima de dez anos de prisão

Um tribunal militar da Tailândia libertou hoje seis estudantes detidos a 23 de junho por fazerem campanha contra o projeto de Constituição apoiado pela junta militar que governa o país e que vai ser votado em referendo em agosto.

Não obstante, outros ativistas, membros do grupo New Democracy Movement, permanecem na prisão por outras acusações não especificadas, noticiou o canal local Now26.

Após a tomada do poder pelos militares, a 22 de maio de 2014, a Tailândia viveu um retrocesso em matéria de direitos humanos, segundo denúncia das Nações Unidas.

O grupo, que distribuía panfletos a pedir o voto no "não" no referendo, violou a proibição de assembleias políticas, a qual pode ser punida com a pena máxima de até dez anos de prisão.

A junta restringe as informações relacionadas com o projeto constitucional e proibiu expressamente qualquer debate a favor ou contra o documento.

Vários inquéritos publicados pelo jornal Bangkok Post no início de junho revelam o desconhecimento dos tailandeses sobre a Carta Magna e indicam que mais de 60% das pessoas chamadas a votar ainda estão "indecisas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.