Legalização da violação e outras ideias da "manosphere"

Integrantes partilham a ideia de que os homens são reprimidos e precisam recuperar o domínio natural sobre as mulheres

Os incels integram-se num movimento mais alargado designado "manosphere", cujo espectro é bastante variado e inclui Ativistas dos Direitos dos Homens. Em comum têm a ideia de que os homens são reprimidos e precisam recuperar o domínio natural sobre as mulheres. Há muitas plataformas relacionadas e o tipo de discursos vai do não problemático à desumanização das mulheres, consideradas apenas recetáculos de esperma.

Os autodenominados pick up artists são homens que cultivam e partilham fórmulas de manipulação e sedução de mulheres. Daryush Valizadeh, conhecido como Roosh V, é dos mais populares. Fundou o site Return of Kings, onde a manchete neste momento diz: "O destino final de uma mulher liberada é tornar-se prostituta." O site estabelece que "o valor de uma mulher depende significativamente da sua fertilidade e beleza; o valor de um homem dos seus recursos, intelecto, e caráter." Assume-se como espaço seguro para os homens que não concordam com a direção da cultura ocidental e avisa que "mulheres e homossexuais são fortemente desencorajados a fazer comentários." Apesar de partilharem premissas, os incels estão do lado oposto dos pick up artists, porque não conseguem seduzir mulheres.

O destino final de uma mulher liberada é tornar-se prostituta

Roosh V escreveu vários ebooks e num deles conta ter abusado de uma jovem demasiado bêbeda para expressar consentimento. No site, publicou um ensaio defendendo a legalização da violação em propriedade privada. Diz que as autoridades devem permitir que um homem faça "o que quiser" a uma mulher se esta se encontrar na sua propriedade. A ideia colheu junto dos seus seguidores, mas gerou uma onda de revolta entre ativistas que ameaçou chegar aos confrontos físicos quando Roosh V convocou um dia de reuniões mundiais. Marcado para 6 de fevereiro de 2016, o evento decorreria em 40 cidades de vários países, incluindo Lisboa, e a intenção era juntar os homens que comungam da ideologia. Roosh V cancelou a mobilização dizendo que "não podia garantir" a segurança dos participantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.