Leandro, o pedreiro português que iniciou a revolta dos coletes amarelos

A revolta dos Coletes Amarelos preenche agora a atualidade internacional, mas tudo começou em janeiro. E por um português: Leandro António Nogueira.

É o site Buzzfeed que dá conta dos primeiros passos do movimento Coletes Amarelos. Tudo começou em janeiro, através do Facebook, num grupo a que chamaram: "Está farto? É agora! Raiva+dept ". E quem o dinamizou foi um português: Leandro António Nogueira, pedreiro de profissão.

O emigrante Interpelava os membros das redes sociais a protestar pacificamente contra as autoridades, bloqueando as estradas e foi dessa forma que começaram a surgir outros agentes de protesto, também apelidados de "grupos de raiva" e que, entretanto, se multiplicaram.

O grupo de Leandro foi iniciado a 12 de janeiro, contando atualmente com 68 775 membros. E com uma mensagem bem pacífica: "Ce groupe a pour vocation de créer un blocage et montrer notre mécontentement au gouvernement et politiques de tous bords!!! Sans violence, sans haine et avec respect de chacun. Soyons solidaires !!! ("Este grupo pretende manifestar o seu descontentamento perante os governantes e as suas políticas. Sem violência, sem ódio e respeitando cada um. Sejam solidários).

No dia 8 de novembro os membros fizeram uma pequena alteração ao nome.

Leandro Nogueira mora em Dordogne, departamento francês da região de Aquitânia, sul de França, mas é natural da Póvoa do Varzim. Em fevereiro deste ano foi detido, tendo sido posteriormente libertado. E, na sua página, dá conta da evolução dos protestos em França.

Uma das características dos Coletes Amarelos é a não existência de um líder, existindo vários grupos (grupos de raiva) de protesto. Segundo o Buzzfeed, o de Leandro foi o primeiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.