Lava Jato visa publicitário de Dilma e Lula

João Santana, que ajudou a eleger a atual presidente brasileira e o seu antecessor, é acusado de receber dinheiro da petrolífera estatal Petrobras. É alvo de mandato de prisão. Encontra-se atualmente na República Dominicana

João Santana, o marqueteiro (publicitário) de Dilma Rousseff nas suas duas campanhas eleitorais para a presidência - e da de Lula da Silva em 2006 -, é um dos alvos da 23.ª fase da operação Lava-Jato, ação policial que investiga um escândalo em torno da petrolífera estatal Petrobras, deflagrada ontem em três cidades brasileiras, São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador.

De acordo com a polícia, que pediu a prisão temporária de Santana, o marqueteiro recebeu três milhões de dólares de offshores ligadas à construtora Odebrecht, investigada na Lava-Jato e cujo presidente, Marcelo Odebrecht, está detido desde junho. Esse dinheiro terá partido da Petrobras, defendem as autoridades.

Santana, a participar de uma campanha eleitoral na República Dominicana, aguarda a chegada do mandado de prisão para voltar ao Brasil. A sua mulher, Mónica Moura, também está sob a mira da justiça. De acordo com a investigação, o consultor de Dilma e de Lula também teria recebido 4,5 milhões de dólares entre 2013 e 2014 por transferências bancárias de Zwi Skornicki, representante no Brasil do estaleiro Keppel Fels e também envolvido no petrolão, o esquema mantido entre dirigentes da Petrobras, um cartel de construtoras e políticos investigados pela Lava--Jato desde há dois anos.

A 23.ª fase da Lava-Jato, chamada de Acarajé, uma especialidade gastronómica da Bahia, um dos estados em que a operação policial incidiu, resulta do acesso a materiais apreendidos na 9.ª etapa, entre eles uma carta de Mónica Moura a Zwi Skornicki a indicar caminhos no estrangeiro para a Polis Propaganda e Marketing, empresa propriedade do casal, receber pagamentos de offshores controladas pela Odebrecht.

A operação, que envolveu 300 polícias, emitiu 51 mandados no total, 38 de busca e apreensão e 13 de prisão temporária, e apreendeu obras de arte, barcos e somas em dinheiro. A Odebrecht, mais uma vez visada na Lava-Jato, disse que está "à disposição das autoridades para prestar todos os esclarecimentos" e a Polis, empresa de Santana e da mulher, também anunciou uma reação para breve.

Santana, ex-jornalista, é dos publicitários mais respeitados do Brasil. Além de ter ajudado a vencer três eleições presidenciais ao Partido dos Trabalhadores (PT), ganhou também sufrágios em Angola - com José Eduardo dos Santos -, Chile e outros países.

Em São Paulo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)