Lamborghini do papa Francisco leiloado por 715 mil euros

O Huracan foi oferecido pela marca italiana e o preço tinha sido estimado entre 250 mil e 350 mil euros no catálogo

O Lamborghini oferecido ao papa Francisco há um ano foi leiloado no sábado, no Mónaco, por 715 mil euros, o dobro do preço inicial, indicou a leiloeira Sotheby's.

O carro branco e com duas listas douradas, do modelo Huracan, foi oferecido pelo construtor italiano e o seu preço tinha sido estimado entre 250 mil e 350 mil euros no catálogo. O papa benzeu o veículo e assinou-o quando o recebeu, em novembro passado.

A leiloeira não divulgou a identidade do comprador, que deverá pagar 715 mil euros e mais 20% para impostos.

O dinheiro da venda vai financiar um projeto de reconstrução de casas e locais de culto em Ninive, no Iraque, uma ajuda aos cristãos afetados pela guerra nesta região, indicou a Santa Sé em novembro.

Parte do dinheiro irá ainda para uma associação italiana de ajuda a vítimas de redes de prostituição e para duas outras associações italianas com atividade em África.

O papa, habituado a presentes insólitos, já tinha recebido uma moto Harley Davidson, que também foi leiloada para financiar projetos de ajuda a desfavorecidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.