Kremlin considera "absurdas" alegações sobre pirataria informática

Moscovo tinha sido acusado pelo Partido Democrático de orquestrar a divulgação de 20 mil mensagens dos responsáveis pelo partido

O Kremlin considerou hoje "absurdas" as acusações feitas sobre a Rússia durante a campanha presidencial dos Estados Unidos e que estas revelam uma "utilização maníaca" da imagem do país.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que o Governo russo deteta "tentativas de uso obsessivo da utilização da Rússia na campanha eleitoral dos Estados Unidos", quando foi dito que teria pirateado o serviço de e-mail do Comité Nacional Democrático.

"Essas informações absurdas foram imediatamente desmentidas pela família do muito conhecido candidato à eleição presidencial", disse hoje à agência noticiosa AFP Dmitry Peskov, referindo-se a Donald Trump Jr.

Após a publicação de 20 mil mensagens pirateadas e enviadas dos computadores de sete dos responsáveis do Partido Democrático, Moscovo foi acusada pelos dirigentes do partido de influenciar a campanha eleitoral americana a favor de Donald Trump e de orquestrar a divulgação das mensagens.

As informações divulgadas segunda-feira pelo porta-voz Dmitri Peskov revelam que Carter Page, o conselheiro de Trump, esteve em Moscovo e que se encontrou com o chefe da administração presidencial russa, Serguei Ivanov.

"Infelizmente, a Rússia foi usada na campanha eleitoral. Infelizmente, essas piadas irão continuar. Achamos que não é muito bom para as nossas relações bilaterais, mas entendemos que temos de passar por este período menos bom", acrescentou o porta-voz.

Na sexta-feira passada, três dias antes da abertura da convenção democrata, o 'WikiLeaks' divulgou cerca de 20 mil mensagens pirateadas e enviadas dos computadores de sete dos responsáveis do Partido Democrático, trocadas a partir de janeiro de 2015, até maio de 2016.

Os e-mails mostram inclusive desconfiança e desprezo por responsáveis do partido de Bernie Sanders, ex-rival de Hillary Clinton nas primeiras nomeações democráticas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.