Kremlin considera "absurdas" alegações sobre pirataria informática

Moscovo tinha sido acusado pelo Partido Democrático de orquestrar a divulgação de 20 mil mensagens dos responsáveis pelo partido

O Kremlin considerou hoje "absurdas" as acusações feitas sobre a Rússia durante a campanha presidencial dos Estados Unidos e que estas revelam uma "utilização maníaca" da imagem do país.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que o Governo russo deteta "tentativas de uso obsessivo da utilização da Rússia na campanha eleitoral dos Estados Unidos", quando foi dito que teria pirateado o serviço de e-mail do Comité Nacional Democrático.

"Essas informações absurdas foram imediatamente desmentidas pela família do muito conhecido candidato à eleição presidencial", disse hoje à agência noticiosa AFP Dmitry Peskov, referindo-se a Donald Trump Jr.

Após a publicação de 20 mil mensagens pirateadas e enviadas dos computadores de sete dos responsáveis do Partido Democrático, Moscovo foi acusada pelos dirigentes do partido de influenciar a campanha eleitoral americana a favor de Donald Trump e de orquestrar a divulgação das mensagens.

As informações divulgadas segunda-feira pelo porta-voz Dmitri Peskov revelam que Carter Page, o conselheiro de Trump, esteve em Moscovo e que se encontrou com o chefe da administração presidencial russa, Serguei Ivanov.

"Infelizmente, a Rússia foi usada na campanha eleitoral. Infelizmente, essas piadas irão continuar. Achamos que não é muito bom para as nossas relações bilaterais, mas entendemos que temos de passar por este período menos bom", acrescentou o porta-voz.

Na sexta-feira passada, três dias antes da abertura da convenção democrata, o 'WikiLeaks' divulgou cerca de 20 mil mensagens pirateadas e enviadas dos computadores de sete dos responsáveis do Partido Democrático, trocadas a partir de janeiro de 2015, até maio de 2016.

Os e-mails mostram inclusive desconfiança e desprezo por responsáveis do partido de Bernie Sanders, ex-rival de Hillary Clinton nas primeiras nomeações democráticas.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.