Kremlin considera "absurdas" alegações sobre pirataria informática

Moscovo tinha sido acusado pelo Partido Democrático de orquestrar a divulgação de 20 mil mensagens dos responsáveis pelo partido

O Kremlin considerou hoje "absurdas" as acusações feitas sobre a Rússia durante a campanha presidencial dos Estados Unidos e que estas revelam uma "utilização maníaca" da imagem do país.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que o Governo russo deteta "tentativas de uso obsessivo da utilização da Rússia na campanha eleitoral dos Estados Unidos", quando foi dito que teria pirateado o serviço de e-mail do Comité Nacional Democrático.

"Essas informações absurdas foram imediatamente desmentidas pela família do muito conhecido candidato à eleição presidencial", disse hoje à agência noticiosa AFP Dmitry Peskov, referindo-se a Donald Trump Jr.

Após a publicação de 20 mil mensagens pirateadas e enviadas dos computadores de sete dos responsáveis do Partido Democrático, Moscovo foi acusada pelos dirigentes do partido de influenciar a campanha eleitoral americana a favor de Donald Trump e de orquestrar a divulgação das mensagens.

As informações divulgadas segunda-feira pelo porta-voz Dmitri Peskov revelam que Carter Page, o conselheiro de Trump, esteve em Moscovo e que se encontrou com o chefe da administração presidencial russa, Serguei Ivanov.

"Infelizmente, a Rússia foi usada na campanha eleitoral. Infelizmente, essas piadas irão continuar. Achamos que não é muito bom para as nossas relações bilaterais, mas entendemos que temos de passar por este período menos bom", acrescentou o porta-voz.

Na sexta-feira passada, três dias antes da abertura da convenção democrata, o 'WikiLeaks' divulgou cerca de 20 mil mensagens pirateadas e enviadas dos computadores de sete dos responsáveis do Partido Democrático, trocadas a partir de janeiro de 2015, até maio de 2016.

Os e-mails mostram inclusive desconfiança e desprezo por responsáveis do partido de Bernie Sanders, ex-rival de Hillary Clinton nas primeiras nomeações democráticas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).