Como Kim Jong-un subiu montanha de 2744 m coberta de neve sem sujar os sapatos

Líder da Coreia do Norte foi fotografado no topo do monte Paektu. Imprensa estatal garante que escalou os quase 3000 metros de altitude, mesmo sem equipamento adequado

Chamam-lhe a "montanha sagrada da revolução": o monte Paektu tem 2744 metros de altitude, fica na fronteira da Coreia do Norte com a China e é um pico vulcânico cujo cume está permanentemente coberto de neve.

Não é a primeira vez que Kim Jong-un, o líder norte-coreano, alega ter subido ao topo da montanha, parte essencial da propaganda de Pyongyang: de acordo com a versão do regime. Kim Jong-il - o pai de Kim Jong-un - nasceu numa cabana no sopé deste monte, de onde Kim Il-sung - o avô do líder atual - organizou as forças para lutar contra os japoneses que ocupavam a península coreana.

Mas, desta vez, Kim Jong-un conseguiu a proeza de escalar a montanha - aparentemente sem equipamento adequado - sem sequer molhar os pés e mantendo impecáveis os sapatos de pele preta, abrindo caminho sobre a "neve espessa". Nas fotografias, divulgadas pelos meios de comunicação estatais, Kim surge agasalhado mas com a roupa imaculada, sem mostrar cansaço ou fadiga após o que terá sido uma penosa subida para alguém sem a preparação adequada ou, pelo menos, com os problemas de saúde de que alegadamente sofre o líder norte-coreano, provocados pela obesidade.

Segundo o Rodong Sinmun, o jornal oficial de Pyongyang, citado pelo Independent, Kim Jong-un "disse que frequentemente escalava o Monte Paektu, mas esta é a primeira vez que o faz a meio do inverno com uma temperatura tão agradável, rara até na primavera".

O texto continuava elogiando o líder, que via no "espírito majestoso do Monte Paektu o aparecimento de uma poderosa nação socialista que avança de forma dinâmica cheia de vigor, sem vacilar com quaisquer ventos no planeta".

Kim Jong-un terá ordenado, após o "passeio", que fosse construído um monumento em honra do monte Paektu e que o complexo escolar nas imediações fosse melhorado. O líder anunciou ainda a construção de um novo hotel e abrigos de montanha na região.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.