Kim Jong-un promove a irmã e dá-lhe mais poder de decisão

Kim Yo-jong passa a integrar o politburo, organismo com maior poder de decisão da Coreia do Norte

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, promoveu a irmã, Kim Yo-jong, ao politburo, o organismo com maior poder de decisão da Coreia do Norte. Uma promoção que indica que a jovem de 28 anos terá substituído a tia do líder, Kim Kyong Hee, que tinha um papel preponderante durante a governação de Kim Jong-il, o pai de Kim Jong-un.

Michael Madden, especialista na Coreia do Norte da Universidade John Hopkins, escreveu no site 38 North sobre a mudança: "trata-se uma consolidação maior do poder da família Kim", assinala, citado pelo The Guardian.

Kim Yo-jong foi colocada na "lista negra" do Departamento do Tesouro dos EUA no passado mês de janeiro, juntamente com outros responsáveis norte-coreanos, devido a "violações severas dos diretos humanos".

Também promovidos foram Kim Jong Sik e Ri Pyong Chol, dois dos homens por trás do controverso programa nuclear de Pyongyang. Ri Yong Ho, que é o ministro dos Negócios Estrangeiros da Coreia do Norte - e recentemente respondeu ao discurso de Trump nas Nações Unidas dizendo que o presidente dos EUA parecia "um cão a ladrar" - passou a ter privilégios de membro votante no politburo, indica o Guardian.

No sábado, Kim Jong-un falou ao também poderoso Comité Central do Partido dos Trabalhadores, alegando que o programa de armas nucleares de Pyongyang é um "poderoso dissuasor" que garante a soberania da Coreia do Norte. O comentário assemelhou-se a uma resposta às declarações de Donald Trump, que também no sábado sugeriu que "apenas uma coisa vai funcionar" com Pyongyang, sem se alongar em explicações.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.