Kim Jong-un festeja de mão dada com a China

Os 70 anos da Coreia do Norte foram comemorados em Pyongyang com um tradicional desfile militar e um cortejo civil. A mão dada de Kim com o representante chinês e a ausência de mísseis nucleares foram dois sinais que o regime comunista quis transmitir.

O ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un, festejou o 70.º aniversário da Coreia do Norte de mão dada com o enviado de Pequim, enquanto milhares de soldados, tanques e peças de artilharia desfilaram em Pyongyang.

É comum o regime usar estas datas para fazer uma demonstração de força e dos progressos militares para desenvolver um míssil com ogiva nuclear capaz de atingir os Estados continental. No entanto, os mísseis balísticos intercontinentais, que têm valido sanções internacionais, não fizeram parte do desfile.

Este facto é visto como um gesto de boa vontade por parte de Kim Jong-un, no seguimento do encontro com o presidente dos EUA, Donald Trump, em junho, e nas vésperas da cimeira marcada para dia 18 na capital da Coreia do Norte com o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in.

Sob o olhar de Kim e do emissário do presidente chinês Xi Jinping, Li Zhanshu, desfilaram dezenas de unidades de infantaria, tanques e demais veículos armados, e mísseis - mas os Hwasong-14 e 15, com capacidade para atingir território norte-americano - não foram mostrados.

De seguida, milhares de civis fizeram um cortejo acompanhados por carros alegóricos sobre questões económicas e apelos para a reunificação da península coreana enquanto desejavam longa vida ao líder.

No final do desfile Kim saudou a multidão tendo levantado a mão de Li Zhanshu, o terceiro homem da hierarquia do regime chinês. Pequim é o único aliado de Pyongyang e nos últimos meses Kim visitou o presidente chinês em três ocasiões.

O único chefe de Estado presente na cerimónia foi o presidente da Mauritânia, Mohamed Ould Abdel Aziz. O ator fancês naturalizado russo Gérard Depardieu também esteve na tribuna.

A República Popular Democrática da Coreia (RPDC) foi proclamada em 9 de setembro de 1948, três anos após a divisão da península por Washington e Moscovo nos últimos dias da Segunda Guerra Mundial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.