Kevin Spacey declara-se inocente em audiência de dez minutos no tribunal

O ator é acusado de crimes de agressão sexual e ofensas corporais, alegadamente cometidas em 2016 sobre um jovem empregado, então com 18 anos, de um bar-restaurante, que ficou proibido de contactar por ordem do juiz. Está marcada nova audiência para 4 de março.

"Inocente." Foi assim que Kevin Spacey se declarou nesta segunda-feira no tribunal de Nantucket, Massachusetts, em que se apresentou. Em causa está a acusação dos crimes de agressão sexual e ofensas corporais, alegadamente cometidas em 2016 sobre um jovem empregado, então com 18 anos, de um bar-restaurante da mesma cidade daquele estado americano.

O ator, duas vezes galardoado com um Óscar, que chegou ao tribunal depois de ter aterrado no seu jato particular, terá assentido com a cabeça quando o juiz Thomas Barrett lhe disse que não pode entrar em contacto com a vítima, que em 2016, quando ocorreu o alegado ataque, tinha 18 anos e era empregado num bar. A audiência de Kevin Spacey durou dez minutos. Para a próxima, marcada para 4 de março, o juiz permitiu ao ator que não se apresentasse fisicamente, desde que estivesse contactável por telefone, segundo a CNN. Se for considerado culpado, a pena pode atingir os cinco anos de prisão.

A defesa de Spacey pediu para a informação do telemóvel e outras mensagens de texto da alegada vítima, que coincidam com a altura do caso, sejam preservados, afirmando que estes podem ser "ilibatórios".

Este é apenas um dos casos em que o ator se vê envolvido, e que lhe tiraram o emprego desde que se tornaram públicos. No ano passado, o ator Anthony Rapp revelou que Spacey o teria agredido sexualmente quando tinha 14 anos e o ator tinha à volta de 20. Spacey respondeu dizendo que não se lembrava, mas pedia desculpa a Rapp por algum comportamento incorreto que tivesse tido. No total, mais de 30 homens se declararam vítimas de avanços não desejados, de cariz sexual, por parte do ator.

O rapaz do processo em curso acusa Spacey de, depois de lhe ter pago várias bebidas alcoólicas, ter começado a passar a mão pela sua perna, lê-se na queixa. Quando tal aconteceu o jovem já estaria embriagado. De seguida abriu a braguilha das calças da alegada vítima e esfregou-lhe o pénis, dentro e fora das calças, durante cerca de três minutos, disse o queixoso à polícia. O jovem filmou uma pequena parte do suposto aliciamento no Snapchat e enviou o vídeo para a namorada, afirma ainda a denúncia. Depois de vários minutos, Spacey levantou-se para ir à casa de banho e o rapaz de 18 anos saiu do bar, foi para casa.

A acusação a Spacey surgiu mais de um ano depois de a mãe do empregado do bar vir a público com o caso. Heather Unruh, ex-jornalista de televisão, contou à imprensa em novembro de 2017 que o filho tinha sido atacado sexualmente por Spacey.

A defesa contesta o vídeo publicado no Snapchat, argumentando que não se vê qualquer cara, além do facto de a alegada vítima estar a filmar o ocorrido enquanto o ataque decorria.

Na passada véspera de Natal o ator gravara já um vídeo publicado no YouTube em que voltava a ganhar características de Frank Underwood, que interpretou na série House of Cards, de onde viria a ser despedido. Com o título "Deixem-se ser franco" (um trocadinho com o nome da sua personagem), Spacey perguntava, irónico: "Vocês não acreditariam no pior sem provas, pois não? Não saltariam para julgamentos sem factos, pois não? Fizeram-no? São mais inteligentes do que isso."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.