Justiça desbloqueia conta do Partido dos Trabalhadores investigada em esquema de corrupção

Partido dos Trabalhadores tinha sido alvo da investigação que apura supostos desvios em contratos de crédito consignado no Ministério do Planeamento entre 2010 e 2015

A Justiça brasileira mandou desbloquear uma conta do Partido dos Trabalhadores (PT) que tinha sido alvo da investigação que apura supostos desvios em contratos de crédito consignado no Ministério do Planeamento entre 2010 e 2015.

"A princípio, a investigação não demonstrou nenhum uso ilícito da conta que recebe os valores referentes ao fundo partidário. Assim, além da impenhorabilidade, falta, ao menos por enquanto, a justa causa do bloqueio", refere a decisão do juiz federal Paulo Bueno de Azevedo.

Paulo Bueno de Azevedo, que é responsável pela Operação Custo Brasil, porém, manteve bloqueio de 102,6 milhões de reais (27, 9 milhões de euros) do ex-ministro do Planeamento na gestão de Luiz Inácio Lula da Silva Paulo Bernardo, e do ex-secretário do partido João Vaccari Neto.

Segundo a Operação Custo Brasil, desencadeada a 23 de junho, a empresa Consist Software era responsável por gerir subornos num esquema criminoso montado no Ministério do Planeamento para desviar recursos de empréstimos consignados.

O valor bloqueado equivale ao prejuízo causado no Ministério.

O ex-ministro do Planeamento Paulo Bernardo, que liderava a pasta em 2010, quando o esquema teria começado, também teve 102 milhões de reais bloqueados, por o magistrado o ter considerado fundamental para a realização dos desvios.

O juiz determinou ainda que o ex-ministro da Previdência Carlos Gabas e o ex-secretário municipal de São Paulo Valter Correia tivessem 7,2 milhões de reais (1,97 milhões de euros) bloqueados cada, por entender que não tiveram participação decisiva na montagem do esquema.

O PT é o movimento político de apoio à Presidente com mandato suspenso, Dilma Rousseff, e ao ex-presidente Lula da Silva.

João Vaccari Neto encontra-se preso desde abril de 2015 no âmbito da Operação Lava Jato, que investiga o maior esquema de corrupção da história do Brasil, que envolve várias empresas, entre elas a gigante petrolífera estatal Petrobras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.