'Hacker' britânico que acedeu a sistemas do Pentágono não vai ser extraditado para os EUA

Lauri Love, de 32 anos, recorreu da extradição alegando recear pela saúde se fosse detido nos EUA

A justiça britânica recusou hoje extraditar para os Estados Unidos o 'hacker' ("pirata informático") britânico Lauri Love, acusado de entrar nos sistemas informáticos das Forças Armadas norte-americanas, da NASA e da Reserva Federal.

O Tribunal Superior de Londres deu provimento ao recurso apresentado por Lauri Love, bloqueando a sua extradição, mas determinou que o 'hacker' pode ser julgado no Reino Unido.

Love, 32 anos, recorreu da ordem de extradição assinada em novembro de 2016 pelo Ministério do Interior britânico alegando recear pela sua saúde se fosse detido nos Estados Unidos, uma vez que sofre de depressão e da síndrome de Asperger, uma forma de autismo.

"Esta decisão afeta evidentemente a minha vida, mas se passei por esta provação, não foi apenas para me poupar ser raptado e preso durante 99 anos num país onde nunca estive. É um precedente que evitará que isso aconteça a outros", disse Love à saída da audiência.

O escritório de advogados Kaim Todner, que representa Love, saudou em comunicado a decisão, frisando que "o sistema judicial britânico decidiu que devem ser as autoridades a resolver o problema, em vez de aceitar os pedidos do governo norte-americano".

"O sistema reconheceu também que a assistência de saúde mental nas prisões norte-americanas não é suficientemente adequada para garantir que Lauri não sofreria um prejuízo grave em caso de extradição", acrescenta o texto.

O britânico é alvo de um processo nos Estados Unidos por acesso ilegal a um servidor de uma agência do Pentágono, conspiração, pirataria informática e roubo de identidade agravado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.