'Hacker' britânico que acedeu a sistemas do Pentágono não vai ser extraditado para os EUA

Lauri Love, de 32 anos, recorreu da extradição alegando recear pela saúde se fosse detido nos EUA

A justiça britânica recusou hoje extraditar para os Estados Unidos o 'hacker' ("pirata informático") britânico Lauri Love, acusado de entrar nos sistemas informáticos das Forças Armadas norte-americanas, da NASA e da Reserva Federal.

O Tribunal Superior de Londres deu provimento ao recurso apresentado por Lauri Love, bloqueando a sua extradição, mas determinou que o 'hacker' pode ser julgado no Reino Unido.

Love, 32 anos, recorreu da ordem de extradição assinada em novembro de 2016 pelo Ministério do Interior britânico alegando recear pela sua saúde se fosse detido nos Estados Unidos, uma vez que sofre de depressão e da síndrome de Asperger, uma forma de autismo.

"Esta decisão afeta evidentemente a minha vida, mas se passei por esta provação, não foi apenas para me poupar ser raptado e preso durante 99 anos num país onde nunca estive. É um precedente que evitará que isso aconteça a outros", disse Love à saída da audiência.

O escritório de advogados Kaim Todner, que representa Love, saudou em comunicado a decisão, frisando que "o sistema judicial britânico decidiu que devem ser as autoridades a resolver o problema, em vez de aceitar os pedidos do governo norte-americano".

"O sistema reconheceu também que a assistência de saúde mental nas prisões norte-americanas não é suficientemente adequada para garantir que Lauri não sofreria um prejuízo grave em caso de extradição", acrescenta o texto.

O britânico é alvo de um processo nos Estados Unidos por acesso ilegal a um servidor de uma agência do Pentágono, conspiração, pirataria informática e roubo de identidade agravado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.