Justiça brasileira iliba Chapecoense na contratação de avião que caiu na Colômbia

O Ministério Público garantiu não ter encontrado provas de pagamentos indevidos da Chapecoense à companhia aérea boliviana Lamia

O Ministério Público brasileiro anunciou esta sexta-feira não ter encontrado qualquer indicio do envolvimento da Chapecoense na contratação do avião que em 29 de novembro passado caiu na Colômbia, causando 71 mortos, incluindo a maioria da sua equipa de futebol.

De acordo com a autoridade judicial, não existiram quaisquer negociações entre funcionários do clube e a companhia aérea boliviana Lamia, proprietária do avião que se despenhou a poucos quilómetros do aeroporto colombiano de Medellín, devido a falta de combustível.

O Ministério Público garantiu também não ter encontrado provas de pagamentos indevidos da Chapecoense à companhia Lamia, que também trabalhou com a Confederação Sul-Americana de futebol.

A equipa de futebol da Chapecoense, clube do Estado de Santa Catarina, ia disputar a primeira mão da final da Taça Sul-Americana com os colombianos do Atlético Nacional.

A bordo do avião, que realizou uma escala técnica na Bolívia, seguiam 77 pessoas, entre passageiros e tripulantes, das quais 71 morreram.

Gravações divulgadas poucos dias após o acidente, mostraram que o piloto reportou "falha elétrica total" e falta de combustível ao aproximar-se do aeroporto de colombiano de Medellín.