Justiça alemã pede oito anos de prisão para migrante acusado de assassínio

O migrante, que afirma ser afegão, é acusado de ter apunhalado mortalmente um adolescente

A justiça alemã pediu esta segunda-feira oito anos de prisão para um migrante acusado de ter apunhalado mortalmente um adolescente, um caso que conjuntamente com outros deu origem a uma campanha racista da extrema-direita contra os estrangeiros.

O atacante, um jovem requerente de asilo, afirma ser afegão apesar de a nacionalidade não ter sido confirmada, arrisca-se a ser condenado a uma pena que pode ir até aos 15 anos de cadeia pelo tribunal de Laundau in der Pfalz, sudoeste da Alemanha.

Em 2017, na cidade de Kandel, o jovem matou com uma faca de cortar pão um amigo de 15 anos de idade.

O agressor, identificado como Abdul D., reconheceu os factos e demonstrou remorso perante o tribunal.

Segundo a acusação, o jovem quando chegou à Alemanha, não acompanhado, ingressou num centro de acolhimento destinado a menores de idade porque afirmava, na altura, ter 15 anos de idade.

Em julgamento, um especialista afirmou que o Abdul D tinha entre 17 e 20 anos de idade.

De acordo com várias testemunhas Abdul D atacou o amigo identificado como Mia num estabelecimento comercial que atingiu com sete facadas tendo sido neutralizado pelas pessoas que se encontravam no local, no dia 27 de dezembro de 2017.

O caso de Abdul D faz parte de uma série de agressões que foram amplamente noticiadas na Alemanha envolvendo requerentes de asilo no país e que suscitaram protestos por parte da extrema-direita contra as políticas migratórias da chanceler alemã Angela Merkel.

O processo que envolve Abdul D tem sido evocado de forma particular pela extrema-direita alemã que acusa a chanceler de estar na origem de uma "onda de insegurança" por ter "aberto as portas" do país a mais de um milhão de pessoas, candidatas a asilo, desde 2015.

O partido anti-imigração Alternativa para a Alemanha (AfD), com representação parlamentar desde as eleições do ano passado, tem insistido nas mensagens contra os migrantes utilizando os factos ocorridos em Kandel no final de 2017.

Ao longo dos últimos meses o AfD tem também organizado várias manifestações que têm sido marcadas por atos de violência repudiados, sobretudo, pela social-democrata Malu Dreyer, chefe do governo da região (Renânia-Palatinado).

O partido de extrema-direita é igualmente responsável pela organização das manifestações de Chemntiz, cidade localizado em território que pertencia à República Democrática Alemã (RDA), onde membros radicais de direita acusam dois migrantes (um cidadão provavelmente de origem síria e outro de origem supostamente iraquiana) da morte de um cidadão alemão de 35 anos, no passado dia 26 de agosto.

No sábado, 18 pessoas ficaram feridas durante confrontos de Chemnitz entre os manifestantes de extrema-direita e opositores de esquerda.

Esta segunda-feira na cidade de Chemnitz vai realizar-se um concerto de rock sob o lema "Nós somos muito mais" organizado por grupos contra a extrema-direita e que esperam "milhares de pessoas" contra o racismo e a xenofobia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.