Novo mandado de captura para ex-primeira-ministra. Terá fugido para Dubai

A ex-primeira-ministra tailandesa Yingluck Shinawatra, condenada na quarta-feira a cinco anos de prisão, fugiu para o Dubai, afirmou hoje o chefe da junta militar do país, indicando ter sido emitido um novo mandado de captura.

Yingluck Shinawatra não é vista desde 25 de agosto, quando se devia apresentar no tribunal para ouvir o veredito no processo por negligência, em que era acusada de não supervisionar o plano de apoio ao arroz, o que, de acordo com a comissão anticorrupção, causou prejuízos equivalentes a 17,1 milhões de euros e fomentou a corrupção.

"De acordo com informações do Ministério dos Negócios Estrangeiros, ela está agora no Dubai", disse Prayut Chan-o-Cha.

Várias fontes próximas de Yingluck e da junta militares tinham já dito que a ex-chefe do governo tailandês se encontrava no Dubai, onde também vive o seu irmão Thaksin, também ex-primeiro-ministro que fugiu a acusações judiciais.

Yingluck, que enfrentava uma pena máxima de dez anos de prisão, manteve a sua inocência desde o início do julgamento e disse que a acusação tinha motivos políticos e estava relacionada com a junta militar que governa a Tailândia desde 2014.

A ex-primeira-ministra fugiu do país dias antes da audiência programada para 23 de agosto, na qual o Supremo previa emitir a sentença, que acabou adiada para quarta-feira devido à não comparência da réu.

A ex-chefe de governo foi deposta após uma controvérsia decisão do Tribunal Constitucional, em que foi acusada de abuso de poder por influenciar a libertação de um alto funcionário poucos dias antes de o exército assumir o poder, no golpe em 22 de maio de 2014.

Yingluck chegou ao governo em 2011, depois de ganhar por maioria absoluta à frente do Pheu Thai, um dos partidos criados por Thaksin, que também foi deposto por um golpe de estado em 2006 e condenado em 2008, à revelia, a dois anos de prisão por abuso de poder.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.