Juncker não se recandidata a presidente da Comissão Europeia

Sucessor de Durão Barroso está a cumprir um mandato de cinco anos e poderia candidatar-se mais uma vez em 2019

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, anunciou hoje em entrevista a uma rádio alemã que não vai candidatar-se a um segundo mandato em 2019.

Em 2014, "foi uma boa campanha eleitoral, mas não haverá segunda, dado que não me vou candidatar de novo", disse Juncker à Deutschlandfunk.

O antigo primeiro-ministro luxemburguês, de 62 anos, tornou-se presidente da Comissão Europeia em novembro de 2014, depois de ter presidido ao Eurogrupo, que reúne os ministros das Finanças da zona euro.

Juncker, que sucedeu a Durão Barroso, está a cumprir um mandato de cinco anos, e poderia candidatar-se mais uma vez.

Estas declarações foram divulgadas antecipadamente, mas a entrevista na íntegra só será difundida no domingo e Juncker faz um retrato sombrio da Europa.

"Será que chegou o momento em que a Europa dos 27 deve mostrar unidade, coesão e coerência?", questionou. "Sim, digo sim quer se trate do 'Brexit' ou de Trump (...) Mas tenho algumas dúvidas justificadas que isso venha realmente a acontecer", respondeu, em alusão à saída britânica da União Europeia e ao novo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Para Juncker, a União Europeia evolui em direções diferentes segundo os países e é difícil conciliar essas direções.

"Os húngaros e os polacos querem exatamente o mesmo que os alemães ou os franceses? Tenho grandes dúvidas", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.