Juncker não se recandidata a presidente da Comissão Europeia

Sucessor de Durão Barroso está a cumprir um mandato de cinco anos e poderia candidatar-se mais uma vez em 2019

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, anunciou hoje em entrevista a uma rádio alemã que não vai candidatar-se a um segundo mandato em 2019.

Em 2014, "foi uma boa campanha eleitoral, mas não haverá segunda, dado que não me vou candidatar de novo", disse Juncker à Deutschlandfunk.

O antigo primeiro-ministro luxemburguês, de 62 anos, tornou-se presidente da Comissão Europeia em novembro de 2014, depois de ter presidido ao Eurogrupo, que reúne os ministros das Finanças da zona euro.

Juncker, que sucedeu a Durão Barroso, está a cumprir um mandato de cinco anos, e poderia candidatar-se mais uma vez.

Estas declarações foram divulgadas antecipadamente, mas a entrevista na íntegra só será difundida no domingo e Juncker faz um retrato sombrio da Europa.

"Será que chegou o momento em que a Europa dos 27 deve mostrar unidade, coesão e coerência?", questionou. "Sim, digo sim quer se trate do 'Brexit' ou de Trump (...) Mas tenho algumas dúvidas justificadas que isso venha realmente a acontecer", respondeu, em alusão à saída britânica da União Europeia e ao novo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Para Juncker, a União Europeia evolui em direções diferentes segundo os países e é difícil conciliar essas direções.

"Os húngaros e os polacos querem exatamente o mesmo que os alemães ou os franceses? Tenho grandes dúvidas", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.