Juncker não quer fronteiras físicas entre as duas Irlandas

Assuntos relacionados com o Brexit dominaram reunião com primeiro-ministro irlandês

O presidente da Comissão Europeia garantiu hoje que a União Europeia vai trabalhar de forma estreita com Dublin para minimizar os efeitos na Irlanda da saída do Reino Unido (Brexit), manifestando-se contra o regresso de uma "fronteira física" com a Irlanda do Norte.

"Durante as negociações do Brexit, a União Europeia e Irlanda têm de trabalhar em conjunto para minimizar os seus impactos para os cidadãos irlandeses (...) A Comissão e o governo irlandes vão trabalhar de forma muito estreita durante as negociações. Não queremos ter fronteiras físicas entre a Irlanda do Norte (pertencente ao Reino Unido) e a República (da Irlanda)", declarou Jean-Claude Juncker, numa conferência de imprensa conjunta em Bruxelas.

Sobre o mesmo tema, o primeiro-ministro irlandês, Enda Kenny, admitiu que se está perante "um desafio político", pois "os governos britânico e irlandês concordaram que não haverá um regresso às fronteiras do passado", mas "obviamente que até o Governo britânico clarificar a sua posição sobre a pertença à União alfandegária, tal terá um impacto direto no comércio".

"Para nós, o melhor desfecho seria termos uma situação o mais aproximada possível da atual", disse.

Juncker apontou que a reunião de hoje com o primeiro-ministro irlandês centrou-se em "assuntos relacionados com o Brexit", razão pela qual pediu ao chefe negociador da UE, Michel Barnier, para também participar.

Aproveitou a oportunidade para agradecer à Irlanda pela sua atitude pró-europeia, em jeito de crítica a outros Estados-membros.

"Sempre disse que a Irlanda desde o dia 1 da adesão (1973) atuou como um país fundador, o que é digno de registo, porque alguns dos nossos membros fundadores já não se comportam como tal", comentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.