Juncker não quer fronteiras físicas entre as duas Irlandas

Assuntos relacionados com o Brexit dominaram reunião com primeiro-ministro irlandês

O presidente da Comissão Europeia garantiu hoje que a União Europeia vai trabalhar de forma estreita com Dublin para minimizar os efeitos na Irlanda da saída do Reino Unido (Brexit), manifestando-se contra o regresso de uma "fronteira física" com a Irlanda do Norte.

"Durante as negociações do Brexit, a União Europeia e Irlanda têm de trabalhar em conjunto para minimizar os seus impactos para os cidadãos irlandeses (...) A Comissão e o governo irlandes vão trabalhar de forma muito estreita durante as negociações. Não queremos ter fronteiras físicas entre a Irlanda do Norte (pertencente ao Reino Unido) e a República (da Irlanda)", declarou Jean-Claude Juncker, numa conferência de imprensa conjunta em Bruxelas.

Sobre o mesmo tema, o primeiro-ministro irlandês, Enda Kenny, admitiu que se está perante "um desafio político", pois "os governos britânico e irlandês concordaram que não haverá um regresso às fronteiras do passado", mas "obviamente que até o Governo britânico clarificar a sua posição sobre a pertença à União alfandegária, tal terá um impacto direto no comércio".

"Para nós, o melhor desfecho seria termos uma situação o mais aproximada possível da atual", disse.

Juncker apontou que a reunião de hoje com o primeiro-ministro irlandês centrou-se em "assuntos relacionados com o Brexit", razão pela qual pediu ao chefe negociador da UE, Michel Barnier, para também participar.

Aproveitou a oportunidade para agradecer à Irlanda pela sua atitude pró-europeia, em jeito de crítica a outros Estados-membros.

"Sempre disse que a Irlanda desde o dia 1 da adesão (1973) atuou como um país fundador, o que é digno de registo, porque alguns dos nossos membros fundadores já não se comportam como tal", comentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?