Juncker não quer fronteiras físicas entre as duas Irlandas

Assuntos relacionados com o Brexit dominaram reunião com primeiro-ministro irlandês

O presidente da Comissão Europeia garantiu hoje que a União Europeia vai trabalhar de forma estreita com Dublin para minimizar os efeitos na Irlanda da saída do Reino Unido (Brexit), manifestando-se contra o regresso de uma "fronteira física" com a Irlanda do Norte.

"Durante as negociações do Brexit, a União Europeia e Irlanda têm de trabalhar em conjunto para minimizar os seus impactos para os cidadãos irlandeses (...) A Comissão e o governo irlandes vão trabalhar de forma muito estreita durante as negociações. Não queremos ter fronteiras físicas entre a Irlanda do Norte (pertencente ao Reino Unido) e a República (da Irlanda)", declarou Jean-Claude Juncker, numa conferência de imprensa conjunta em Bruxelas.

Sobre o mesmo tema, o primeiro-ministro irlandês, Enda Kenny, admitiu que se está perante "um desafio político", pois "os governos britânico e irlandês concordaram que não haverá um regresso às fronteiras do passado", mas "obviamente que até o Governo britânico clarificar a sua posição sobre a pertença à União alfandegária, tal terá um impacto direto no comércio".

"Para nós, o melhor desfecho seria termos uma situação o mais aproximada possível da atual", disse.

Juncker apontou que a reunião de hoje com o primeiro-ministro irlandês centrou-se em "assuntos relacionados com o Brexit", razão pela qual pediu ao chefe negociador da UE, Michel Barnier, para também participar.

Aproveitou a oportunidade para agradecer à Irlanda pela sua atitude pró-europeia, em jeito de crítica a outros Estados-membros.

"Sempre disse que a Irlanda desde o dia 1 da adesão (1973) atuou como um país fundador, o que é digno de registo, porque alguns dos nossos membros fundadores já não se comportam como tal", comentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.