Episódio de ciática: Juncker diz que são "disparates mesquinhos"

"É impressionante como as pessoas são especialistas na minha saúde. Tive uma cãibra na perna", justifica o presidente do executivo comunitário

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse esta quarta-feira não ter tempo para "disparates mesquinhos", quando questionado sobre o episódio por si protagonizado na cimeira da NATO na quarta-feira passada, e exigiu respeito.

"É impressionante como as pessoas são especialistas na minha saúde. Li o que foi escrito. Tive uma cãibra na perna. Estive na cimeira da NATO, que teve temas muito mais interessantes para se concentrarem do que o meu estado de saúde. Francamente, não tenho tempo para esses disparates mesquinhos", insurgiu-se o presidente do executivo comunitário.

António Costa foi um dos chefes de Estado que amparou Juncker

Na primeira reação pública após a divulgação de um vídeo no qual aparece a ser amparado por diversos chefes de Estado e de Governo, entre os quais o primeiro-ministro português, António Costa, numa cerimónia incluída no programa oficial da cimeira da Aliança Atlântica de quarta-feira passada, Jean-Claude Juncker voltou a negar que estivesse embriagado.

"[Essa afirmação] é correta em relação a esse dia, a hoje de manhã e a logo à noite. Estou verdadeiramente surpreso com o nível de interesse de algumas pessoas nestes assuntos marginais, e exijo respeito", vincou.

Em 12 de julho, o porta-voz da Comissão Europeia esclareceu que o episódio se deveu a "uma crise particularmente dolorosa de ciática".

"Na noite de quarta-feira, o presidente [Juncker] sofreu uma crise particularmente dolorosa de ciática, acompanhada de cãibras. O presidente já disse publicamente que a ciática condiciona a sua a capacidade de andar, o que infelizmente foi o caso na noite de quarta-feira", explicou então Margaritis Schinas.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro português, António Costa, já tinha justificado o comportamento do presidente da Comissão Europeia com uma crise de ciática, em resposta à pergunta de um jornalista da agência Associated Press.

Recorde o vídeo do momento:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.