Episódio de ciática: Juncker diz que são "disparates mesquinhos"

"É impressionante como as pessoas são especialistas na minha saúde. Tive uma cãibra na perna", justifica o presidente do executivo comunitário

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse esta quarta-feira não ter tempo para "disparates mesquinhos", quando questionado sobre o episódio por si protagonizado na cimeira da NATO na quarta-feira passada, e exigiu respeito.

"É impressionante como as pessoas são especialistas na minha saúde. Li o que foi escrito. Tive uma cãibra na perna. Estive na cimeira da NATO, que teve temas muito mais interessantes para se concentrarem do que o meu estado de saúde. Francamente, não tenho tempo para esses disparates mesquinhos", insurgiu-se o presidente do executivo comunitário.

António Costa foi um dos chefes de Estado que amparou Juncker

Na primeira reação pública após a divulgação de um vídeo no qual aparece a ser amparado por diversos chefes de Estado e de Governo, entre os quais o primeiro-ministro português, António Costa, numa cerimónia incluída no programa oficial da cimeira da Aliança Atlântica de quarta-feira passada, Jean-Claude Juncker voltou a negar que estivesse embriagado.

"[Essa afirmação] é correta em relação a esse dia, a hoje de manhã e a logo à noite. Estou verdadeiramente surpreso com o nível de interesse de algumas pessoas nestes assuntos marginais, e exijo respeito", vincou.

Em 12 de julho, o porta-voz da Comissão Europeia esclareceu que o episódio se deveu a "uma crise particularmente dolorosa de ciática".

"Na noite de quarta-feira, o presidente [Juncker] sofreu uma crise particularmente dolorosa de ciática, acompanhada de cãibras. O presidente já disse publicamente que a ciática condiciona a sua a capacidade de andar, o que infelizmente foi o caso na noite de quarta-feira", explicou então Margaritis Schinas.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro português, António Costa, já tinha justificado o comportamento do presidente da Comissão Europeia com uma crise de ciática, em resposta à pergunta de um jornalista da agência Associated Press.

Recorde o vídeo do momento:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.