Juncker insta Turquia a parar de insultar Europa, "da qual se tem afastado"

O presidente da Comissão Europeia admitiu hoje que não é previsível que num futuro próximo a Turquia reúna as condições para aceder à União Europeia e instou Ancara a parar de insultar os Estados-membros e líderes europeus.

Dirigindo-se ao Parlamento Europeu por ocasião do discurso sobre o Estado da União, Jean-Claude Juncker lembrou que qualquer negociação com países candidatos assenta, acima de tudo, no "Estado de Direito, justiça e valores fundamentais", o que, argumentou, "afasta a Turquia" da adesão.

Segundo Juncker, "há já um tempo considerável que a Turquia se tem afastado" dos valores europeus e, como tal, da UE.

A título de exemplo, apontou que "o lugar dos jornalistas é nas redações, não nas prisões", apelando por isso às autoridades turcas que libertem os jornalistas detidos, "e não apenas os europeus".

"E parem de chamar aos nossos Estados-membros e chefes de Estado fascistas e nazis. A Europa é um continente de democracias maturas", advertiu.

O presidente do executivo comunitário disse ter, por vezes, "a impressão que há quem, na Turquia, queira quebrar as pontes, para depois responsabilizar a UE pelo fracasso nas negociações".

"Mas, do nosso lado, teremos sempre uma mão estendida, para o grande povo da Turquia e todos aqueles que queiram trabalhar connosco com base nos nossos valores comuns", disse.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".