Juncker em digressão pelos Balcãs para promover alargarmento da UE

Dos seis países que o presidente da Comissão Europeia visita nesta semana, Montenegro e Sérvia serão os primeiros a fazer parte do bloco comunitário. O investimento de Bruxelas na região, só este ano, ronda mil milhões de euros.

Jean-Claude Juncker começou o seu mandato em 2014 a dizer que não haveria um alargamento da União Europeia num futuro próximo. Mas no dia 6 deste mês a Comissão apresentou a sua estratégia para os Balcãs Ocidentais, na qual é dito que Sérvia e Montenegro deverão tornar-se Estados membros até 2025 e que Albânia e a Antiga República Jugoslava da Macedónia são os seguintes na lista, não esquecendo as pretensões de Kosovo e Bósnia e Herzegovina. Hoje, o luxemburguês dá início a uma viagem de cinco dias por estes seis países - e que terminará na Bulgária, que preside neste semestre à União Europeia - para promover a estratégia de Bruxelas com vista ao alargamento.

"Os Balcãs Ocidentais são estrategicamente muito importantes e irão, mais cedo ou mais tarde, juntar-se à UE", disse fonte de Bruxelas ao EUobserver, justificando a importância desta viagem. "A influência geopolítica de Rússia, China e Turquia na região está a crescer e é muito importante que a influência da UE se mantenha lá e continue predominante", prosseguiu a mesma fonte. Este interesse de Bruxelas traduz-se também num aumento gradual do financiamento ao abrigo do Instrumento de Assistência de Pré-Adesão até 2020 - só em 2018, já estão previstos 1,07 mil milhões de euros, que vêm juntar-se aos quase nove mil milhões do período 2007-2017.

Juncker leva na bagagem boas notícias para Tirana e Skopje. "A Comissão Europeia irá recomendar em breve, provavelmente no verão, que os Estados membros iniciem as negociações de adesão com a Albânia e a Antiga República Jugoslava da Macedónia", disse nesta quinta-feira o comissário para o Alargamento, Johannes Hahn, em entrevista ao Die Welt. "Acreditamos que os dois países fizeram reformas importantes no passado e portanto estão qualificados para este passo", prosseguiu o austríaco, que acompanhará Juncker na viagem, tal como Federica Mogherini, a líder da diplomacia da UE. Ekaterina Zaharieva, a ministra dos Negócios Estrangeiros da Bulgária, disse já neste mês que a decisão de iniciar as negociações de adesão poderá ser tomada na cimeira de chefes de Estado e governo em junho.

A Macedónia é candidata à adesão desde 2005 e está em negociações com a Grécia para resolver a disputa sobre o seu nome, contenda que vem desde a independência da Jugoslávia, em 1991, e que tem atrasado o processo junto da UE, mas também da NATO. Em janeiro, Alexis Tsipras, o primeiro-ministro grego, disse acreditar que a situação poderá ficar resolvida no primeiro semestre deste ano. Já a Albânia, candidata à adesão desde 2014, "tem feito muito na luta contra o crime organizado", declarou Hahn na mesma entrevista.

Dias antes da viagem que hoje inicia, Jean-Claude Juncker fez um aviso que afeta diretamente um candidato à adesão já em negociações - a Sérvia - e um potencial candidato - o Kosovo. "Existem muitas disputas fronteiriças nos Balcãs Ocidentais que devem ser resolvidas antes de darmos um passo em frente", disse o presidente da Comissão. Em janeiro, a Sérvia abandonou as conversações em Bruxelas sobre a normalização das relações entre os dois países na sequência do assassínio de Oliver Ivanovic, político sérvio, no Kosovo.

Quanto à Bósnia, "a Comissão começará a elaborar um parecer sobre o pedido de adesão quando tiver recebido respostas pormenorizadas e completas ao seu questionário", refere um documento de Bruxelas, tudo indicando que Sarajevo poderá começar as negociações de adesão em 2023.

Esta digressão termina com um almoço na quinta-feira em Sófia, a convite do primeiro-ministro Boyko Borisov, com Juncker e representantes dos seis países que visitou. A Bulgária - que ambiciona fazer avançar este processo de alargamento durante a sua presidência da UE - receberá na sua capital, a 17 de maio, uma cimeira entre a UE e o bloco das seis nações dos Balcãs Ocidentais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.