Juncker diz que esforços de Trump para dividir os europeus são inúteis

O presidente da Comissão Europeia vai ser recebido por Donald Trump no próximo dia 25 de julho, na Casa Branca

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, considerou esta quarta-feira inúteis os esforços de Donald Trump para dividir os europeus no plano comercial, a uma semana de ser recebido em Washington pelo presidente norte-americano.

O presidente da Comissão Europeia vai ser recebido por Donald Trump, em 25 de julho, na Casa Branca

"Quero fazer com que o presidente dos Estados Unidos compreenda -- e devo admitir que já o tentei sem grande sucesso -- que, quando se trata de comércio, a União Europeia [...] forma uma unidade indivisível. Por isso, os esforços para dividir os europeus são inúteis", sublinhou durante uma conferência de imprensa em Bruxelas.

O presidente da Comissão Europeia vai ser recebido por Donald Trump, em 25 de julho, na Casa Branca, num encontro em que o 'desanuviar' das tensões comerciais entre a União Europeia (UE) e os Estados Unidos estará sobre a mesa.

"Vou lá com serenidade", assegurou, escusando-se a dizer qual será a abordagem comunitária nas negociações com o Governo norte-americano.

Juncker recordou que deu conta da abordagem global da UE na última reunião do G7, no Canadá, e que repetiu, diante do presidente norte-americano, quais eram os argumentos europeus.

"Vou repeti-los uma e outra vez", garantiu.

As relações entre a UE e Washington estão tensas, não só devido às taxas alfandegárias impostas por Washington às importações de aço e alumínio -- e já retaliadas pelo bloco europeu --, mas também pela retirada dos Estados Unidos do Acordo de Paris sobre o clima e do acordo nuclear com o Irão sobre armas nucleares.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)

Premium

Viriato Soromenho Marques

O monoteísmo do "deus dólar" continua

Em 1866, o jovem Eça de Queirós aproveitou a passagem por Lisboa do moderníssimo couraçado norte-americano USS Miantanomah para escrever na imprensa algumas notas penetrantes sobre a identidade dos EUA. No essencial ele identificava uma tensão matricial em Washington, definida pela oposição entre o "deus dólar", que explicava a violência expansiva, mesmo desumana, do seu capitalismo, e o impulso para a "justiça", traduzido na abolição da escravatura ao preço do enorme sacrifício da Guerra Civil, terminada no ano anterior. Gostaria muito de poder subscrever a tese de que nas recentes eleições intercalares a justiça prevaleceu sobre a idolatria do capital. Infelizmente, o sinal positivo dado pelos eleitores é ainda insuficiente para atenuar a gravíssima patologia da democracia nos EUA.