Juncker convoca países para reunião no domingo sobre imigração

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, convocou líderes de um grupo de países para discutir a crise migratória este domingo em Bruxelas

"Convido para uma reunião de trabalho informal sobre os temas da imigração e asilo um grupo de Estados membros interessados. O objetivo da reunião, que terá lugar domingo, em Bruxelas, é trabalhar no sentido de encontrar soluções europeias tendo em vista o Conselho Europeu [dos próximos dias 28 e 29]", anunciou Juncker, através do Twitter.

Segundo uma proposta de conclusões do Conselho Europeu, enviada pelo presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, aos Estados membros, uma das ideias em discussão é a criação de "plataformas de desembarque regionais" em países terceiros para fazer a triagem entre migrantes por razões económicas e refugiados a precisar de proteção internacional.

Não ficou, desde logo, claro quem seriam os países participantes na reunião informal de domingo, mas o El País refere França, Alemanha, Grécia, Malta, Espanha, Bulgária, Itália e Áustria. Contactada pelo DN, fonte do gabinete do primeiro-ministro português, António Costa, disse que esta reunião informal se destina mais aos países que estão na linha da frente da crise migratória e que, para já, só está prevista a presença do chefe do governo português no Conselho Europeu dos dias 28 e 29.

Antes disso, na terça-feira, Costa recebe em Lisboa Pedro Sánchez, socialista e novo primeiro-ministro de Espanha. Sánchez será recebido também este sábado por Emmanuel Macron, presidente da França. Na terça-feira, Macron já discutira a questão das migrações com a chanceler alemã Angela Merkel, a qual está a ser fortemente pressionada a nível interno para conseguir e um novo e vasto acordo a nível europeu sobre este problema.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.