Juncker contra ideia "estúpida" de enfraquecer política de coesão e PAC

Presidente da Comissão Europeia não poupou hoje as palavras perante os eurodeputados em Estrasburgo. Rejeitou cortes em "áreas fundamentais" e defendeu um orçamento pós-2020 "ambicioso"

A Comissão Europeia opõe-se à vontade "estúpida" de alguns de "atentar" contra as políticas de coesão e política agrícola comum (PAC) no quadro das negociações sobre o orçamento plurianual da União Europeia, disse hoje Jean-Claude Juncker.

Num debate no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, sobre o futuro da Europa, o presidente do executivo comunitário abordou a questão do quadro financeiro da União pós-2020 para defender que a Europa deve dotar-se de um orçamento à medida das "ambições e objetivos que proclama", rejeitando cortes drásticos em áreas fundamentais.

"Será preciso reduzir os números da política de coesão e da PAC, mas eu sou contra esta vontade estúpida, passageira e irrefletida que consiste em organizar um atentado contra as políticas de coesão e agrícola comum. Isso não vai funcionar e a Comissão não irá seguir essa via", asseverou.

Apontando que não defende aumentos sem limites no orçamento da União e reconhecendo que é necessário proceder a poupanças inteligentes - até porque a União perderá um dos seus maiores contribuintes, o Reino Unido -, Juncker defendeu, todavia, que é necessário que, "ao longo dos próximos 11 meses, se chegue a acordo sobre os objetivos da UE" antes de se abordar os números.

Para o presidente da Comissão Europeia, é preciso que se discuta "primeiro o conteúdo e depois os números, não o inverso".

"Uns dizem que não querem pagar mais, outros dizem que não querem receber menos. É uma equação que não funcionará. Será necessário fazer poupanças em várias áreas, mas poupanças que façam sentido", disse, reforçando que, nos domínicos da política de coesão e da PAC, "onde puderem ser feitas poupanças inteligentes, a Comissão apresentará propostas nesse sentido".

Juncker intervinha num debate sobre o futuro da Europa com a participação do primeiro-ministro da Croácia, Andrej Plenkovic, o segundo de um ciclo de debates no Parlamento Europeu com chefes de Estado e de Governo da UE, iniciado em janeiro com o chefe de Governo irlandês, Leo Varadkar, e que prosseguirá em 14 de março com a presença em Estrasburgo do primeiro-ministro português, António Costa.

Na semana passada, por ocasião de uma deslocação a Bruxelas, Costa voltou a fazer a defesa da política de coesão, defendendo que esta "é a política europeia que mais tem contribuído para a unidade na diversidade europeia" e "grande parte do sucesso da União Europeia deve-se à sua política de coesão".

Considerando-a "uma marca identitária da União Europeia, cujos objetivos permanecem hoje tão centrais como quando foi criada", António Costa defendeu que "a coesão não pode nem deve ser a variável de ajustamento do próximo Quadro Financeiro Plurianual", mas sim "dispor de uma maior flexibilidade na sua definição e implementação, combinando a sua abordagem territorializada com um maior enfoque nos seus principais beneficiários: as pessoas".

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.