Juncker confessa ato de vandalismo contra consulado português

Presidente da Comissão Europeia referia-se a um caso ocorrido "há mais de 40 anos", que é investigado "até ao dia de hoje" pela polícia luxemburguesa

O presidente da Comissão Europeia confessou esta quarta-feira ter "atirando pedras" sobre a representação diplomática de Portugal no Luxemburgo. O ato foi confessado no Parlamento Europeu, perante o primeiro-ministro português.

Jean-Claude Juncker referia-se a um caso ocorrido "há mais de 40 anos", que é investigado "até ao dia de hoje" pela polícia luxemburguesa.

"Em jovem, participei em protestos e manifestações em frente ao consulado português, para o fim da ditadura no vosso país. Até ao dia de hoje, a polícia do Grão Ducado investiga o assunto alguém atirou uma pedra a uma janela do consulado geral [e] a polícia não encontrou o responsável. Ele está perante vós", confessou o antigo primeiro-ministro luxemburguês.

Durante a sua intervenção inicial, Juncker referiu-se várias vezes a Portugal e aos portugueses, que "constituem mais de 20 por cento, da população luxemburguesa". "Todos ou quase todos os meus vizinhos são portugueses. É um prazer todos os dias ouvi-los a falar português", admitiu Juncker. Porém, foi a falar do passado de Portugal, relativamente à transição para a democracia, que mais se deteve.

"Não me esqueci que foi o povo português que, em 1974, pôs fim a quase meio século de opressão e de ditadura, abrindo assim uma via pacífica rumo à democracia. [Foi] um acontecimento que trouxe alívio e esperança a todo o nosso continente", lembrou.

Não me esqueci que foi o povo português que, em 1974, pôs fim a quase meio século de opressão e de ditadura, abrindo assim uma via pacífica rumo à democracia

"Portugal, depois da revolução, imediata e logicamente, virou-se para a Europa, com a liderança inspiradora de Mário Soares, para criar a sua jovem democracia em solidariedade, compartilhando as mesmas ambições de paz que esquecemos muitas vezes e sem as quais nada mais seria possível", afirmou.

Por sua vez, o primeiro-ministro António Costa referiu-se ao fim da ditadura como o acontecimento que permitiu a adesão à comunidade de valores que permite "ser Europeu", pertencendo ao "sistema de valores comum: a paz, a defesa incondicional da democracia, o primado do Estado de Direito, a liberdade, a igualdade, a dignidade da pessoa humana, a solidariedade".

"Foram os valores que trouxeram Portugal à Europa, foi a vontade de consolidar a democracia reconquistada, de poder partilhar um espaço comum de liberdade, de segurança, de paz e de prosperidade", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.