Juncker afasta nova crise na Zona Euro e critica Alemanha

Presidente da Comissão mostra confiança na capacidade dos italianos e menospreza as reações dos mercados financeiros

O presidente da Comissão Europeia afastou o cenário de uma nova crise da dívida soberana na zona euro. Em entrevista ao grupo RND, de jornais regionais da Alemanha, Jean-Claude Juncker deixou ainda um voto de confiança no novo governo italiano e críticas à forma como a Alemanha tratou os países intervencionados, em especial a Grécia.

"As reações dos mercados financeiros são irracionais. As pessoas não devem tirar conclusões políticas de cada flutuação no mercado de ações. Os investidores já se enganaram em muitas ocasiões antes", disse, após negar a hipótese de uma nova crise.

A composição do novo governo italiano e o seu programa merecem o benefício da dúvida. Juncker afirmou "não ser favorável a dar lições a Roma", algo que "foi feito demais em relação à Grécia, especialmente pelos países de língua alemã." Juncker fez saber que não quer interferir na política doméstica italiana e concluiu: "A dignidade do povo grego foi espezinhada. Isto não deve repetir-se agora com a Itália."

O comissário europeu do Orçamento, o alemão Günther Oettinger, pediu desculpa na quinta-feira, um dia depois de ter desejado que os "mercados ensinem os italianos a votar bem", em alusão ao novo governo populista formado pelo Movimento 5 Estrelas e a Liga.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)