Julian Assange condenado a um ano de prisão no Reino Unido

O fundador do Wikileaks foi considerado culpado pelo tribunal de Southwark de crime de violação de liberdade condicional quando se refugiou na embaixada do Equador em Londres, há sete anos. Deverá cumprir 50 semanas de prisão

Julian Assange foi condenado pelo tribunal britânico de Southwark a praticamente um ano (50 semanas) de prisão, por ter violado a liberdade condicional a que estava sujeito quando, há sete anos, decidiu refugiar-se na embaixada do Equador, em Londres, noticia o The Guardian.

Assange foi levado do tribunal para cumprimento de pena sob os protestos dos seus apoiantes que se encontravam na galeria e que gritaram "tenham vergonha" na direção do juiz.

Julian Assange esteve durante sete anos refugiado na embaixada do Equador, que decidiu em 11 de abril retirar-lhe a proteção, acusando-o de violar por várias vezes as condições de permanência naquela embaixada, e de ter feito "espionagem" a partir de território equatoriano.

Na sequência dessa decisão do Equador, a polícia britânica entrou na representação diplomática do Equador e deteve Julian Assange.

Na altura a sua advogada, Jennifer Robinson, contestou as acusações. "Acho que a primeira coisa a dizer é que o Equador fez algumas alegações muito ultrajantes nos últimos dias para justificar o que foi um ato ilegal e extraordinário ao permitir que a polícia britânica entrasse na sua embaixada", afirmou a advogada.

Agora, tal como já se esperava, o fundador da Wikileaks foi condenado a uma pena de prisão por ter violado a liberdade condicional em que se encontrava. A pena para esse crime pode ir no Reino Unido até um ano, e Assange foi condenado a 50 semanas.

Os maiores problemas para o fundador do Wikileaks poderão no entanto ainda estar para vir. Esta quinta-feira Julian Assange comparecerá de novo em tribunal para o que será a primeira audição relativa ao processo de extradição movido pelos Estados Unidos.

Aquele país acusa Assange de ter feito parte de uma conspiração com a ex-analista do exército Chelsea Manning, condenada em 2013 por espionagem por ter cedido à WikiLeaks mais de 700 mil documentos, muitos deles classificados.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.