Julgamento de Teodorin Obiang por "ganhos ilícitos" começa hoje em Paris

O filho do presidente é acusado de ter reunido em França um património considerável, financiado em parte por dinheiro de corrupção

Teodorin Obiang, filho do presidente da Guiné Equatorial, começa hoje a ser julgado em Paris por abuso de bens sociais, desvio de dinheiros públicos, abuso de confiança e corrupção, no que é o primeiro julgamento francês sobre "ganhos ilícitos".

O julgamento está previsto para os dias 2, 4, 5, 9, 11 e 12 de janeiro, mas o vice-presidente da Guiné Equatorial, 47 anos, quer adiar as audiências.

Segundo um dos seus advogados, Emmanuel Marsigny, os prazos são "demasiado curtos" e não respeitam a lei, tendo em conta que Teodorin declarou morada em Malabo.

O acusado estará hoje ausente e os advogados pedem "que ele possa beneficiar do tempo razoável para poder organizar efetivamente a sua defesa", segundo Marsigny.

Teodorin Obiang é acusado de ter reunido em França um património considerável, financiado em parte por dinheiro de corrupção e do desvio de fundos públicos no seu país, onde mais de metade dos habitantes vive abaixo do limiar da pobreza.

Mas "sempre disse que ganhou legalmente o dinheiro no seu país" e que é "inocente dos factos de que é acusado", assegura Marsigny.

Teodorin multiplicou os recursos para evitar ser julgado, através da justiça francesa e recorrendo mesmo ao Tribunal Internacional de Justiça. Sem sucesso.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.