Julgamento de Lula abre primeira fase das presidenciais

Tribunal onde antigo presidente vai saber se pode candidatar-se será vigiado por terra, mar e ar para evitar protestos violentos

A cidade de Porto Alegre vai transformar-se em cenário de filme de ação para receber o julgamento em segunda instância do Caso Tríplex, que pode afastar Lula da Silva das eleições de outubro no Brasil. O perímetro do edifício do Tribunal Regional Federal já está isolado desde o meio-dia de ontem. Em locais estratégicos dos prédios em redor serão colocados atiradores de elite, conhecidos como snipers. Nas margens do Rio Guaíba, que banha a cidade, ficarão a postos embarcações da marinha. E a força aérea disponibilizou aeronaves para vigiar cada movimento suspeito. No total, 4500 homens da Brigada Militar foram mobilizados para a operação. Só a passagem do ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro gerou aparato semelhante no país.

Veja aqui a sessão, que começou pelas 10:30 desta terça-feira (hora de Lisboa) em direto:

"Vamos estar preparados para identificar quem queira fazer qualquer manifestação que contrarie a legislação", justificou Cezar Schirmer, secretário da Segurança Pública do Rio Grande do Sul.

Desde há uma semana que Porto Alegre, capital do estado mais meridional do Brasil, o Rio Grande do Sul, vem recebendo militantes pró e contra Lula. Movimentos sociais tradicionalmente próximos do presidente brasileiro de 2003 a 2010 e do Partido dos Trabalhadores (PT) têm chegado em caravanas de autocarro para acampar num parque próximo do local do julgamento. O PT estima juntar mais de 50 mil pessoas na cidade, entre os quais todos os seus mais destacados dirigentes nacionais, à exceção do próprio Lula, que ontem se deslocou a Porto Alegre mas hoje deve seguir a sessão a partir do seu escritório em São Paulo, através do serviço youtube, que transmite o julgamento em direto.

Os manifestantes contrários ao antigo sindicalista, por outro lado, vão juntar-se noutros pontos da cidade. O Movimento Brasil Livre, um dos mais ativos no período do impeachment da presidente Dilma Rousseff, marcou o evento "Carna-Lula", espécie de Carnaval adiantado para festejar a condenação do líder do PT.

"A coragem vencerá o medo, a ética vencerá a imoralidade, as pessoas de bem e de carácter vencerão os corruptos", escreveu Adelaide de Oliveira, porta-voz do Movimento Vem Pra Rua, outro dos mais ativos contra Lula, no jornal Folha de São Paulo. A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, disse que "o Brasil está numa bifurcação histórica". "Ou a gente enfrenta este processo, mostra que vai ter resistência neste país, ou eles vão passar por cima de nós."

Na sala de tribunal, mais ou menos indiferentes à emoção em seu redor, três discretíssimos juízes - João Pedro Gebran, Leandro Paulsen e Victor Laus - vão analisar a sentença proferida pelo colega Sergio Moro em julho do ano passado em primeira instância. Moro, juiz que coordena a Operação Lava-Jato na cidade de Curitiba, condenou Lula a nove anos e meio de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro. Considerou que um apartamento tríplex no Guarujá é sua propriedade, como troca de favores prestados pelo antigo presidente à construtora OAS, envolvida no escândalo do Petrolão, que investiga esquema corrupto na estatal Petrobras.

O início do julgamento está previsto para as 10.30, hora de Lisboa, por ordem de Leandro Paulsen, presidente do tribunal. Depois João Pedro Gebran, relator do processo, lê a sua sentença. Segue-se exposição de 30 minutos de Maurício Gerum, procurador regional da República que vai defender o aumento da pena de Lula em virtude de ter cometido, no seu entender, três crimes e não um. A seguir, Cristiano Zanin, advogado do antigo presidente, e os defensores dos outros réus no processo têm 15 minutos para fazer as suas sustentações orais. O juiz Paulsen, que é revisor do processo, anuncia então o seu voto, sendo seguido por Victor Laus, antes do encerramento da sessão.

A julgar pelos antecedentes - o colegiado de segunda instância confirmou a sentença de Moro em 72 de 77 casos relacionados com a Lava-Jato -, Lula não será absolvido. Nesse caso, pode recorrer para o próprio Tribunal Regional Federal ou apelar a outras cortes, como o Supremo Tribunal Federal ou o Tribunal Superior Eleitoral. Inicia-se então uma luta contra o tempo em dois campos, o político e o jurídico - o processo pode prolongar-se até depois das eleições, para as quais Lula segue em primeiro lugar em todas as sondagens de todos os cenários de primeira e segunda voltas, ou chegar a um desfecho em plena campanha eleitoral. Qualquer dos cenários deixa o país em suspenso. E nervoso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".