Juiz ordena suspensão das deportações de famílias de imigrantes nos EUA

Um juiz do tribunal de San Diego, EUA, ordenou a suspensão temporária das deportações das famílias de imigrantes reunidas após a separação na fronteira. É a resposta a um pedido da American Civil LibertAmerican Civil Liberties Union (ACLU) que denunciou a preparação de "deportações em massa".

O juiz Dana Sabraw impôs um adiamento de pelo menos uma semana após um pedido da ACLU para esse efeito. A associação alegou que existem informações sobre "rumores persistentes e crescentes [...] de que deportações em massa podem ser executadas em breve e imediatamente após a reunificação".

O advogado do Departamento de Justiça, Scott Stewart, opôs-se ao adiamento, mas não fez comentários sobre os rumores. Enquanto o governo de Trump procura cumprir o prazo para entregar as crianças.

Lee Gelernt, advogado da ACLU, ficou "extremamente satisfeito" com a interrupção das deportações, defendendo que os pais precisam de tempo para pensar no que fazer após a reunificação. A associação pediu que estes tivessem pelo menos uma semana para decidir se vão solicitar asilo depois que se reencontrarem com os filhos.

A decisão foi tomada numa altura em que o governo norte-americano acelerou as reunificações em oito locais não identificados da Imigração e Alfândega Estados Unidos.

As famílias estão espalhadas pelo país, os adultos em centros de detenção de imigrantes e as crianças em abrigos supervisionados pelas autoridaes.

No final de junho, o mesmo juiz tinha ordenado a reunião de milhares de crianças e pais que foram forçados a separarem-se na fronteira norte-americana com o México. As crianças menores de cinco anos deveriam estar com os pais até 10 de julho, prazo que alargou até ao dia 26 para os maiores de cinco anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.