Juiz federal dos EUA bloqueia ordem de Trump que restringe pedido de asilo

A ordem que impede imigrantes ilegais que entrem no país através do México peçam asilo foi temporariamente bloqueada

Um juiz federal americano bloqueou temporariamente a ordem de Donald Trump que proíbe o asilo aos imigrantes ilegais que entram no país através do México.

A ordem contra o decreto que o Presidente americano anunciou a 9 de novembro veio do juiz federal Jon Tigar de São Francisco, avançou nesta terça-feira a Reuters.

A Administração Trump ordenou que os requerentes de asilo entrassem numa das 26 entradas oficiais da fronteira com o México.

Horas depois, grupos de ativistas colocaram uma ação em tribunal, argumentando que a lei dos Estados Unidos claramente permite que alguém peça asilo, independentemente da sua entrada no país.

As medidas restritivas têm sido reforçadas no país numa altura em que se aproximam das fronteiras com os EUA caravanas de milhares de refugiados vindos da América Central. Donald Trump já informou que não aceitará a entrada desses refugiados, tendo decretado a mobilização do exército para reforçar a segurança nas fronteiras.

Cerca de três mil pessoas que integram a primeira das caravanas em direção aos Estados Unidos chegaram a Tijuana, México, do outro lado da fronteira de San Diego, Califórnia.

"Se alguém atirar pedras - como consta que fizeram no México - [os militares] poderão disparar sobre eles, porque se lhes acertarem com uma pedra na cara...", afirmou Trump numa conferência de imprensa na Casa Branca, a 1 de novembro.

A administração Trump informou em outubro que no próximo ano fiscal, 2019, reduzirá de 45 000 para 30 000 o número limite de refugiados, o mais baixo desde 1980.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...