Presidente da Colômbia ganha o Nobel da Paz 2016

Juan Manuel Santos vence o prémio deste ano pelos esforços de paz com a guerrilha marxista das FARC para pôr fim a 50 anos de guerra civil no país.

Comité norueguês decidiu premiar o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, com o Nobel da Paz 2016 pelos seus "esforços para pôr fim aos mais de 50 anos de guerra civil no país".

De fora de um prémio que foi também "para o povo colombiano" ficou o líder das FARC, Rodrigo Londono, aliás Timochenko, que no dia 26 de setembro assinou com Santos o acordo de paz negociado durante quatro anos em Cuba.

Em Oslo, Kaci Kullmann Five, a presidente do Comité Nobel sublinhou que o resultado do referendo torna ainda mais importante que Santos e as FARC respeitem o cessar-fogo. E garantiu que "o facto de a maioria do povo ter dito não ao acordo não significa que o processo de paz esteja morto".

O acordo veio pôr fim a mais de meio século de uma guerra que deixou mais de 220 mil mortos. E fez dos seus protagonistas os favoritos ao Nobel, mas a vitória do Não no referendo de dia 2 na Colômbia veio pôr em causa esta vitória.

Santos torna-se assim no 26.º chefe do Estado a receber um Nobel. E América Latina volta a receber o galrdão da Paz depois da vitória de Rigoberta Menchu em 1992, pela sua defesa das mulheres indígenas.

O vencedor do Nobel da Paz recebe oito milhões de coroas suecas (mais de 830 mil euros).

Premiar os dois lados em conflito depois de terem chegado a um consenso não poderia estar mais no espírito dos prémios criados em 1895 pelo sueco Alfred Nobel. A última vez que o comité o fez foi em 1998, quando atribuiu o galardão da Paz (o único entregue na Noruega, todos os outros Nobel são entregues na Suécia) a John Hume e a David Trimble "pelos seus esforços para encontrar uma solução pacífica para o conflito na Irlanda no Norte". Mas o passado também já provou que esta pode ser uma escolha arriscada. Em 1994, na sequência dos acordos de Oslo entre israelitas e palestinianos, o recém-falecido Shimon Peres, Yitzhak Rabin e Yasser Arafat receberam o prémio. Mas passados 22 anos, com todos os protagonistas mortos, a paz no Médio Oriente ainda é uma miragem.

Entre os favoritos este ano estavam ainda os negociadores do acordo sobre o nuclear iraniano - entre eles os chefes da diplomacia americana, John Kerry, iraniana, Mohammad Javad Zarif, e europeia, Federica Mogherini. Mas também os habitantes das ilhas gregas, um coletivo para designar todos os voluntários que ajudaram os refugiados - sobretudo sírios, mas também iraquianos, afegãos, etc. - que nos últimos meses chegaram às costas da Grécia em busca de uma vida melhor na Europa.

Em termos coletivos, os Capacetes Brancos , antigos padeiros, professores, alfaiates ou outros profissionais que decidiram dedicar a vida a salvar as vítimas dos bombardeamentos e da guerra na Síria, tinham subido nas apostas nos últimos dias. Em termos individuais, a ativista russa pelos direitos humanos Svetlana Gannushkina era uma das favoritas. Tal como Denis Mukwege, o ginecologista congolês que já ganhou o Prémio Sakharov do Parlamento Europeu por desafiar a morte para ajudar as mulheres violadas durante a guerra civil no seu país. Na lista não falta outro vencedor do Sakharov, o blogger saudita Raif Badawi, detido e condenado a mil chicotadas pela sua defesa da liberdade de expressão.

Nos últimos anos, as instituições dominaram o Nobel da Paz, tendo arrecadado três dos últimos cinco galardões: em 2012 foi a vez da União Europeia, em 2013 da Organização para a Proibição das Armas Químicas e em 2015 do Quarteto para o Diálogo Nacional na Tunísia. Neste ano havia 148 instituições entre os nomeados e a Save the Children era uma das favoritas à vitória. Sobretudo pelo seu trabalho com as crianças nos campos de refugiados na Síria e nos países vizinhos

Com milhares de pessoas, inclusive todos os membros dos parlamentos nacionais, professores universitários ou antigos vencedores, a poderem nomear candidatos ao Nobel, não espanta que da lista constem nomes menos consensuais. Entre os favoritos neste ano voltou a estar Edward Snowden, o ex-analista da NSA que em 2013 divulgou os programas de vigilância secreto dos EUA. Mas também Donald Trump, o candidato republicano às presidenciais de 8 de novembro nos EUA, mais conhecido por querer construir um muro na fronteira com o México ou banir os muçulmanos de entrar na América do que pelos atos a favor da paz.

O Papa Francisco e a chanceler alemã Angela Merkel também voltaram à lista, já sem o favoritismo claro de outros anos.

Os prémios Nobel nasceram da vontade do químico, engenheiro e industrial sueco Alfred Nobel (1833-1896) em doar a sua imensa fortuna para o reconhecimento de personalidades que prestassem serviços à humanidade.

O inventor da dinamite expôs este desejo num testamento redigido em Paris em 1895, um ano antes da sua morte. Os prémios foram atribuídos pela primeira vez em 1901.

Esta semana já foram divulgados os prémios para as categorias Medicina, Física e Química. Faltam Economia, no dia 10, e Literatura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.