Juan Manuel Santos dedica Nobel aos colombianos "que sofreram tanto"

No telefonema do Comité Nobel, onde foi informado de que era o vencedor do prémio deste ano, o presidente colombiano agradeceu "do fundo do coração".

"Obrigado, do fundo do meu coração e em nome de todos os colombianos, especialmente as vítimas. Milhões de vítimas sofreram com esta guerra", disse Juan Manuel Santos no telefonema com o Comité Nobel norueguês, que hoje anunciou que o presidente colombiano é o vencedor do Nobel da Paz.

Distinguido pelos seus esforços em conseguir a paz e pôr fim a um conflito com mais de meio século, Santos indicou que "é simplesmente questão de acreditar numa causa e não há melhor motivo para qualquer sociedade, para qualquer país, que viver em paz. Estamos muito, muito próximo de alcançar a paz", indicou Santos, citado pelo El Tiempo.

Oiça o telefonema.

Segundo o Comité Nobel, Santos estava "muito agradecido" quando recebeu a notícia, considerando o prémio "inestimável e importantíssimo para a evolução do processo de paz na Colômbia".

O prémio deve ser visto "como um tributo ao povo colombiano, que apesar de grandes dificuldades e abusos, não perdeu a esperança de uma paz justa", assim como a todas as partes que contribuíram para o processo de paz, pode ler-se no comunicado do comité.

"Este tributo é prestado, não menos importante, aos representantes das inúmeras vítimas da guerra civil", que fez mais de 220 mil mortos e seis milhões de deslocados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).