Jovens resgatados na Tailândia convidados para a gala anual da FIFA

A equipa e o treinador tinham sido convidados para a final do Mundial 2018, mas, por razões de saúde, não vão poder estar presentes

Os jovens resgatados no início da semana de uma gruta em Chiang Rai, no norte da Tailândia, foram convidados para a gala anual da FIFA, revelou hoje o presidente do organismo.

Gianni Infantino disse que os 12 rapazes e o treinador da equipa de futebol Wild Boards, que ficaram presos durante 18 dias, serão convidados a estar na cerimónia da FIFA, em Londres, em 24 de setembro.

As crianças já tinham sido convidadas para a final do Mundial 2018, que opõe França e Croácia no domingo, em Moscovo, mas devido a razões de saúde, depois de terem sido resgatados entre domingo e terça-feira, não poderão estar presentes.

O responsável da FIFA disse ainda que o organismo prevê outras ações com a jovem equipa, possivelmente na Tailândia.

Os jovens ficaram encurralados durante quase três semanas numa gruta no norte da Tailândia, depois de o espaço ter ficado inundado pelas chuvas.

A operação de resgate, que envolveu centenas de pessoas, incluindo mergulhadores, foi concluída na terça-feira com a saída das últimas quatro crianças e do treinador. As restantes crianças já tinham sido resgatadas no domingo e na segunda-feira.

O grupo de 12 rapazes e o treinador foram explorar a área depois de um jogo de futebol no dia 23 de junho.

Na altura, as inundações resultantes das monções bloquearam-lhes a saída da gruta e impediram que as equipas de resgate os encontrassem durante nove dias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?