Jovens resgatados na Tailândia convidados para a gala anual da FIFA

A equipa e o treinador tinham sido convidados para a final do Mundial 2018, mas, por razões de saúde, não vão poder estar presentes

Os jovens resgatados no início da semana de uma gruta em Chiang Rai, no norte da Tailândia, foram convidados para a gala anual da FIFA, revelou hoje o presidente do organismo.

Gianni Infantino disse que os 12 rapazes e o treinador da equipa de futebol Wild Boards, que ficaram presos durante 18 dias, serão convidados a estar na cerimónia da FIFA, em Londres, em 24 de setembro.

As crianças já tinham sido convidadas para a final do Mundial 2018, que opõe França e Croácia no domingo, em Moscovo, mas devido a razões de saúde, depois de terem sido resgatados entre domingo e terça-feira, não poderão estar presentes.

O responsável da FIFA disse ainda que o organismo prevê outras ações com a jovem equipa, possivelmente na Tailândia.

Os jovens ficaram encurralados durante quase três semanas numa gruta no norte da Tailândia, depois de o espaço ter ficado inundado pelas chuvas.

A operação de resgate, que envolveu centenas de pessoas, incluindo mergulhadores, foi concluída na terça-feira com a saída das últimas quatro crianças e do treinador. As restantes crianças já tinham sido resgatadas no domingo e na segunda-feira.

O grupo de 12 rapazes e o treinador foram explorar a área depois de um jogo de futebol no dia 23 de junho.

Na altura, as inundações resultantes das monções bloquearam-lhes a saída da gruta e impediram que as equipas de resgate os encontrassem durante nove dias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.