Jovens portuguesas resgatadas de cascata na Tailândia

Benedita e Leonor Feron, de 21 e 25 anos, ficaram encurraladas numa pedra depois de terem sido surpreendidas pelo aumento do caudal de água

Duas turistas portuguesas foram esta sexta-feira resgatadas de uma cascata em Chiang Mai, no norte da Tailândia, depois de terem ficado encurraladas numa pedra.

De acordo com o Thai Visa News, que cita o INN, Benedita e Leron Feron, de 21 e 25 anos, ficaram isoladas num rochedo após terem sido surpreendidas pelo aumento do caudal de água, devido à agitação que se fazia sentir, e foram salvas através de um cabo slide, como comprovam as imagens.

As duas turistas lusas foram assistidas no local, aparentemente sem ferimentos, e foram recebidas pelo governador daquela região, que lhes disponibilizou todo o apoio que seja necessário.

As fortes chuvadas que assolam aquela zona da Tailândia levaram as autoridades a fechar temporariamente a cascata ao público e retirar de lá todas as pessoas.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.